Gestão em QSMS-RS e Sustentabilidade

Eu hoje depois de quase 4 décadas dentro do mundo corporativo e ao meu retorno definitivo ao Brasil, sou consultor e sendo, significa ir a um monte de locais e conhecer um monte de pessoas diferentes em um monte de lugares diferentes.

 Mesmo não sendo auditor (os odiados pelas não conformidades), as vezes sou rsrsr, as organizações raramente me chamam e me pagam para dizer-lhes que a sua gestão é maravilhosa.

Eu costumava dizer que um consultor é alguém que passa três dias em sua empresa, dá-lhe uma solução impraticável para um problema mal definido, e em seguida, culpa-lo quando ele falhar.

 E a solução para corrigir o problema é sempre mais dinheiro.

 Eu não sou esse tipo de consultor.

E ainda assim as pessoas tem medo de mim.

Eu estou no negócio de consultoria agora, você me paga por minha vivência e experiência.

Eu acredito que os colaboradores não querem se machucar e seus sistemas não devem machucá-los.

Eu olho para encontrar as falhas do sistema que causam ferimentos e você ficaria surpreso como simples, óbvio, e barato que eles são para corrigir.

Mas as pessoas tem medo de mim.

Quando eu chego, a reação é um falso bem-vindo muitas vezes.

As pessoas escondem coisas, e fazem desculpas esfarrapadas para coisas para que eu não me importe.

As pessoas tem medo de mim.

Bem… Isso não é inteiramente verdade, as pessoas temem a segurança e a gestão de QSMS-RS & Sustentabilidade como um todo.

 Não importa que eu esteja lá para ajudá-los a identificar e mitigar os riscos que poderiam mutilar, aleijar ou matá-los.

Eles preferem dançar uma valsa com o anjo da morte do que cooperar com o consultor de segurança.

Faz com que seja difícil fazer o meu trabalho.

Mas por que esse drama?

Muitos profissionais de segurança tornam difícil fazer meu trabalho por que atuam como policiais de segurança.

Advertências, chamadas de atenção escandalosas na frente de todos etc.

Quando as pessoas se escondem de nós, não podemos fazer o nosso trabalho

 É isso que queremos ser?

Deve ser, pelo menos para alguns profissionais/policiais, porque muitos reforçam a ideia de que o cara de segurança é o pai de fato para as crianças órfãs trabalhando em obediência maliciosa esperando para ser castigados pelo chefe severo.

Ridículo!

Alguns profissionais gostam da ideia de ser o cara durão, o campeão da segurança, a pessoa sem medo de entrar no rosto de uma pessoa adulta e dizer a eles o que é o quê.

 As pessoas só concordam com você na sua cara e retornam a um comportamento inseguro assim que você sai.

Esses profissionais ensinaram as pessoas nada além de que são salvadores onipotentes importantes e que pensam que são mais inteligentes e mais poderosos do que elas.

Ridículo!

A menos que estes tipos de profissionais aprendam a respeitar as pessoas, trata-las como iguais e persuadi-las, fornecendo-lhes boas informações que elas podem usar para fazer melhores escolhas sobre os riscos que correm, eles estarão fadados ao fracasso.

E chamem o consultor!

Estamos juntos!

Publicado por Roberto Roche

Roberto Roche ao longo de três décadas consolidou sua experiência exercendo vários cargos de alta direção em QSMS–RS & Sustentabilidade nas áreas de Óleo & Gás, Construção Civil Pesada, Montagem Industrial, Portos e Mineração em mais de 15 países na América Latina, África e Oriente Médio como Mars, Queiroz Galvao Internacional e Odebrecht Internacional e Imerys .

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *