Gestão em QSMS-RS e Sustentabilidade

Quem tem medo do Escopo 3? Você gestor ESG, o que diz a respeito da sua organização?

Gestores ESG, neste exato momento sustentados pelos pilares do QSMS-RS, estão lidando com suas emissões e ,não fácil !

Muitos jornalistas, muitos achistas, ambientalistas e, muitos departamentos da área de comunicação anunciando “Carbone Negativo, ou 0 “das usas organizações, será mesmo?

 A emissão de gases de efeito estufa (GEE) têm sido amplamente adotadas como uma métrica para medir e melhorar em nossa gestão ESG.

Assisto nossos clientes realmente preocupados em identificar suas fontes antes de mais nada e, buscar soluções para mitigá-los

Compra crédito de carbono? Claro que não é a solução, mas isso fica para outro texto.

Quanto ao escopo 3, é mais complexo do que a maioria entende, e isso é por causa do desafio de definir o que exatamente compõe suas emissões. 

As emissões da empresa podem ser divididas em diferentes categorias, referidas na indústria como “escopos”.

 As emissões do escopo 1 são as mais simples: são emissões que você produz diretamente como uma empresa de uma fonte que você possui. 

Por exemplo, se você tiver um gerador ou forno no local, isso contaria como escopo 1. 

Assim como pilotar um jato corporativo ou dirigir um veículo da empresa.

As emissões do escopo 2, ,são “emissões indiretas de GEE associadas à compra de eletricidade, vapor, calor ou resfriamento”. 

Você pode não possuir o equipamento que gerou a eletricidade que sua empresa compra de uma empresa de serviços públicos, mas você claramente causa essas emissões através de suas atividades comerciais.

As emissões do Escopo 1 e do Escopo 2 são relativamente fáceis de ligar à empresa em questão e, portanto, tornaram-se comuns quando se trata de medição. 

Quando as empresas dizem que pretendem reduzir suas emissões de carbono até 2025  ou mesmo alcançar “emissões zero”  geralmente estão se referindo ao Escopo 1 e escopo 2.

A questão, como você provavelmente pode adivinhar, é que há outro escopo, e é um que está sub-representado nos cálculos de emissões hoje. 

Em um sentido básico, o Escopo 3 é “todo o resto” para cima e para baixo na cadeia de suprimentos que vai para operar o seu negócio.

 Por exemplo, digamos que você compre uma resma de papel da loja.

 Você provavelmente não dirigiu um caminhão para a floresta para cortar as árvores e transportá-las para a usina porque seu negócio exige papel, no entanto, essas emissões ainda eram necessárias, mesmo que elas ocorressem através de uma empresa completamente diferente.

Dada a escala das cadeias de suprimentos, talvez não seja surpreendente que a grande maioria das emissões das empresas sejam escopo 3. 

Também não é surpreendente que as emissões do Escopo 3 sejam contabilizadas por muito menos do que os Escopos 1 e 2. 

Muitas gestoras desconhecem completamente as emissões do Escopo 3, ou não acham que podem (ou precisam) fazer nada sobre elas, uma vez que as emissões são causadas apenas indiretamente por sua empresa.

 Para isso, deve-se notar que não há nenhuma exigência para a divulgação de emissões do Escopo 3. 

 Mas mesmo que uma empresa queira explicar suas emissões do Escopo 3, elas são inerentemente muito mais difíceis de medir do que as emissões dos dois primeiros escopos.

Por essas razões, os números de divulgação do Escopo 3 são muitas vezes desanimadores.

Mas aqui está o problema:

Você não pode ter uma meta séria de redução de carbono sem alguma maneira de medir as emissões do Escopo 3. 

Porque umas das parcelas grandes das emissões das organizações tendem a ser o Escopo 3, mesmo a eliminação completa das emissões do Escopo 1 e 2 por mais louvável que seja! representaria apenas uma pequena vitória na guerra contra o aumento das emissões de GEE e as mudanças climáticas.

Felizmente, sabemos que medir e direcionar as emissões do Escopo 3 é possível, porque algumas organizações focadas em sustentabilidade já estão fazendo isso. 

Gestores ESG nesse momento (assim espero rsrs) estão em busca dos dados de CO² calculados a partir do carbono incorporado dos recursos, a fim de responsabilizar-se para cumprir as metas de redução de carbono e monitorar e relatar seus dados de emissões de GEE.

 As emissões do escopo 3 também são “particularmente terreno fértil para oportunidades de identificar sinergias e colaborar”, uma vez que as emissões do Escopo 3 de qualquer determinada empresa necessariamente se sobrepõem às emissões de outras empresas também.

 Por exemplo, uma indústria automobilística   cujas emissões são estimadas em X % do Escopo 3  não apenas “estabeleceu rigorosos padrões de redução de emissões para empresas ao longo de sua cadeia de suprimentos“, mas também está capacitando os fornecedores a tornar suas operações mais sustentáveis, ajudando-as a localizar fontes de energia renováveis.

Também é importante notar que as emissões da cadeia de suprimentos podem ser reduzidas de várias maneiras. 

Embora a energia renovável seja muitas vezes a primeira coisa que vem à mente, devemos lembrar que o ciclo de vida do produto (que toquei um pouco na minha edição anterior do boletim informativo ) oferece uma enorme oportunidade para a redução de emissões também.

 Ao focar no reaproveitamento e ampliação do ciclo de vida de produtos e materiais, reduzimos a necessidade de novos produtos e materiais, e as emissões que acompanham sua produção.

O desafio Escopo 3 é grande, mas fazer com que as empresas comprem e colaborem será um longo caminho para enfrentá-lo.

Estamos juntos!

Leia mais

Faça agora mesmo sua inscrição

Para finalizar, selecione a modalidade da sua inscrição e efetue o pagamento:

Faltam apenas

Dias

Nos vemos lá!