Gestão em QSMS-RS e Sustentabilidade

 Como consultor é impressionante como as organizações e alguns profissionais se aproximam para pedir uma colaboração, uns fazem um discurso de horas dizendo isso e aquilo o seu currículo e seus resultados (perdão não estou entrevistando para dar emprego, rsrsr) etc.  outros dizem que só me procuraram por que …. e nada mais que isso.

Meu modelo de negócio é simples, dede que deixei o mundo corporativo.

“Gestão compartilhada” e meu lema é “NÃO VENDO CONSULTORIA! EU COMPARTILHO VIVÊNCIA E EXPERIÊNCIA nesses + 35 ANOS na área de QSMS-RS & SUSTENTABILIDADE, justamente para diluir o impacto de quem nos procura com todos a as armas para se justificar antes de pedir ajuda.

Pedir ajuda pode ser difícil.

Pode parecer que você está proclamando: “Eu não posso fazer isso sozinho, mesmo que eu pensei que eu poderia” ou “Eu cometi um erro e preciso de alguém para me ajudar a consertar o que eu errei!”

Mas não é nada disso, pedir ajuda é um sinal de grandeza e sabedoria.

Ninguém sabe tudo. e meu amigo Aristóteles, já dizia. Eu Sei que nada sei ou algo parecido

Eu sei que não pedi ajuda em muitas ocasiões quando perguntar era a única coisa razoável a fazer, por causa do quão desconfortável era chegar e dizer: “Isso é mais do que eu posso lidar.”

Não há vergonha em precisar de ajuda; o oposto é verdade.

Digamos que você, como profissional na área de QSMS-RS & Sustentabilidade ou especialista dentro dessas áreas mais especificas seja designado para um projeto que inclua trabalhos que você tem pouca ou nenhuma experiência em supervisionar.

Você certamente poderia fingir e agir como se soubesse o que está acontecendo.

 Já vi isso acontecer mais do que algumas vezes. (Eu sou um bom exemplo)

Raramente acaba bem e pode prejudicar sua credibilidade por um tempo.

 O que funciona? Admitindo sua falta de experiência e conhecimento, e então pedindo ajuda.

Conheci uma profissional no meu primeiro ando de consultoria que tinha acabado de sair da faculdade com um diploma de segurança saúde e meio ambiente e jogaram no colo dela organizar toda gestão e já incluindo o RS (responsabilidade social corporativa) legal né!

 Durante uma pausa em um dos meus seminários de desenvolvimento profissional em nossa área, ela me confidenciou que, por um tempo, teve problemas para conseguir os funcionários experientes na planta e no trecho onde trabalhava para levá-la a sério.

Ela então disse que não tinha mais esse problema.

Fiquei intrigado. “O que você fez para resolvê-lo?” Eu perguntei. Ela respondeu: “Recebi conselhos de um dos mecânicos seniores que conheci antes de começar a trabalhar no local.”

Ela perguntou-lhe o que ele achava que ela deveria fazer para ganhar mais respeito.

O que torna esta história especial não é o conselho que o mecânico sênior deu , mas como ele disse aos outros mecânicos que ele achava que ela (apesar de ela ser mais jovem do que algumas das filhas dos outros mecânicos) sabia o que ela estava fazendo e eles deveriam mostrar seu respeito e ouvi-la.

Ela me disse que era incrível o quanto de diferença sua influência fez em sua capacidade de realizar seu trabalho e se sentir mais confortável em torno da mecânica.

Não sei por que estou relutante em pedir ajuda. Talvez seja uma percepção que tenho de mim como alguém que está sempre no controle.

 Felizmente, estou melhorando em pedir ajuda, principalmente porque percebi que não é um sinal de fraqueza ou inaptidão.

Todos nós, não importa o quão “brilhante”, ainda temos uma quantidade limitada de habilidade.

Mesmo que você seja um especialista em sua área, ainda haverá momentos em que você precisa de ajuda de outra fonte.

“Todos são ignorantes, apenas em assuntos diferentes.”

O orgulho pode nos impedir de pedir ajuda, mas às vezes é porque não queremos incomodar ninguém.

Considere isso: Eu gosto de ajudar os outros.

Tenho certeza que você também.

Muitas pesquisas mostram que atividades altruístas se sentem bem e são um forte fator de felicidade.

No entanto, muitas vezes, não damos aos outros a chance de experimentar esses impulsos de felicidade, deixando-os nos ajudar.

Precisar de ajuda com assuntos pessoais não é uma falha de caráter.

Toda pessoa, mesmo com os melhores esforços, pode cair em uma situação difícil por causa de circunstâncias de vida ou erro de julgamento.

Perceber que estamos em uma condição que só podemos sair com ajuda mostra sabedoria e humildade, desde que não nos contemos em estender a mão.

Estamos juntos!

Publicado por Roberto Roche

Roberto Roche ao longo de três décadas consolidou sua experiência exercendo vários cargos de alta direção em QSMS–RS & Sustentabilidade nas áreas de Óleo & Gás, Construção Civil Pesada, Montagem Industrial, Portos e Mineração em mais de 15 países na América Latina, África e Oriente Médio como Mars, Queiroz Galvao Internacional e Odebrecht Internacional e Imerys .

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *