Gestão em QSMS-RS e Sustentabilidade

Se você acredita que investir na gestão de riscos socioambientais é caro! Passe por um acidente, ou melhor pergunte para as organizações que passaram por isso

 As organizações pagam milhões em perdas que podem ser facilmente evitadas, e uma grande proporção dessas perdas pode ser rastreado até os riscos de integridade do desempenho humano e humano, que, na época, pode ter ido não identificado.

Veja a explosão Piper Alpha, ou agora recentemente no golfo do México com a PEMEX ou Vale e Petrobras que já possuem um longo histórico dessas infelicidades.

No caso de Piper Alpha, onde estudei muito.

Uma explosão e os incêndios resultantes destruíram o Piper Alpha em 6 de julho de 1988, matando 167 pessoas, incluindo dois tripulantes de um navio de resgate; 61 trabalhadores conseguiram escapar e sobreviveram.

 Trinta corpos nunca foram recuperados.

O total de perdas seguradas foi de cerca de 1,7 bilhão de libras, tornando-se uma das mais caras catástrofes causadas pelo homem de todos os tempos.

Uma investigação concluiu entre as várias causas raiz, que o erro humano foi a causa principal. 

Um erro que talvez pudesse ter sido evitado com a cultura corporativa certa.

O risco de integridade do desempenho humano é tradicionalmente muito difícil de identificar.

 Uma das principais barreiras para gerenciar tais riscos é a ausência de uma cultura que capacite os colaboradores a falar sobre questões que poderiam afetar o desempenho crítico, estresse pessoal e fadiga, por exemplo.

Se a ameaça se relaciona com questões como risco de integridade de desempenho humano, cultura corporativa ou outro risco imprevisto, os gestores de risco desempenham um papel vitalmente importante, ajudando a reduzir a incerteza, descobrir ameaças desconhecidas, quantificando e mitigando perdas aos ativos de nossos segurados.

Normalmente quando trabalhamos com nossos clientes começamos pela identificação de riscos imprevistos. 

Começamos realizando uma visita detalhada ao site e pesquisamos tudo, desde ‘hardware’ (projetos de processo e proteção), ‘software’ (sistemas de gestão, auditorias e procedimentos), até ‘life ware’ (cultura de segurança, pessoal motivação e alerta).

 Durante esta etapa, descobrimos uma lacuna na liderança através de uma mudança cultural em um de nossos clientes e aplicamos com sucesso a abordagem de Integridade de Desempenho Humano.

Como parte deste exercício, usamos ferramentas que podem medir a cultura de segurança de uma empresa em geral. 

Também construímos uma nova ferramenta para medir a resiliência de uma organização sua capacidade de reagir a qualquer interrupção. 

Os relatórios são então elaborados, com recomendações de onde melhorias podem ser feitos e uma estratégia de melhoria de risco conjunto é desenvolvida.

Algumas dessas ameaças podem parecer inseguras, mas através de uma abordagem colaborativa, envolvendo as principais partes interessadas, e gestores de risco chegamos coletivamente a uma decisão em conjunto sobre qual deve ser a melhor solução para qualquer risco imprevisto. 

Ao fazer isso, podemos desafiar o conceito de que alguns riscos são “incertos” ou “inseguros”, e impulsionam o pensamento inovador a chegar a uma decisão conjunta sobre a solução.

Com nossa abordagem específica do setor, fornecemos uma visão externa imparcial do cenário de risco, da cultura corporativa e das interessadas, do setor.

Combinando a experiência com especialistas locais de diversas áreas, nos engajamos, aprendemos, evitamos e mitigamos perdas aos ativos de nossos segurados.

É fundamental garantir que todas as três engrenagens estão se movendo:

 O ‘hardware’, ‘software’ e ‘LIFE are’. 

Afinal, se você acha que a gestão de riscos é cara, tente uma perda.

Estamos juntos!

Leia mais

Faça agora mesmo sua inscrição

Para finalizar, selecione a modalidade da sua inscrição e efetue o pagamento:

Faltam apenas

Dias

Nos vemos lá!