Gestão em QSMS-RS e Sustentabilidade

As organizações que olham para a segurança no local de trabalho e não reconhecem a necessidade de uma abordagem sustentável estão buscando dor de cabeça.

Exemplos temos aos montes, na mídia que vai desde rompimentos de bacias de rejeitos até a última do momento no porto de Beirute/Líbano.

Os dados nos mostram as consequências de não abordar questões sistêmicas mais profundas que colocam os trabalhadores em risco.

Organizações perdem $$ por ano devido a lesões relacionadas ao trabalho.

 O excesso de esforço, quedas e outros incidentes nocivos não são apenas catastróficos para os colaboradores afetados, mas também contribuem para a moral baixa e eles acabam perdendo a fé na organização.

Abordar problemas de segurança após um acidente só resolverá um “problema imediato.”

Isso porque as medidas reativas muitas vezes perdem as questões mais profundas que levaram à lesão.

 Não me interpretem mal: Respostas imediatas a acidentes específicos importam muito.

 No entanto, as organizações que se movem além do “sabor do mês” em  soluções de segurança com treinamento adicional ou um novo procedimento são aqueles que entendem por que a implementação de uma abordagem mais abrangente vai diminuir as taxas de incidentes, criar uma força de trabalho mais feliz e saudável, reduzir os custos , e  em última análise,  melhorar .

Um exemplo que costumo citar para ilustrar, é um fato trágico por que eu passei em minha gestão.

 Trata-se de um colaborador novo, entusiasmado, mas não qualificado, que subiu e operou uma peça comum de equipamento, porque ele só queria ser útil.

Tragicamente, neste exemplo, o colaborador morreu em seu primeiro dia no trabalho, porque ele erroneamente engatou uma engrenagem para a frente em vez da engrenagem reversa, fazendo o maquinário esmaga lo.

As organizações que não tomam a cultura da segurança seriamente puderam chamar este um incidente “one-off”.

Mas sabemos que está longe de ser preciso.

Uma fatalidade como está, é uma expressão inevitável de uma vulnerabilidade não atenuada que existia antes do incidente.

 E, infelizmente, eventos semelhantes irão recorrer a menos que a exposição seja reconhecida e controlada.

Então, como as organizações podem lidar com a exposição para evitar que esta história se torne uma realidade recorrente de sua operação?

Requer a compreensão dos elementos que levam a essa exposição.

 Eu identifico algumas pelas qual eu já passei, como;

Liderança.

 Os líderes devem definir as prioridades, e todas as coisas que afetam a exposição aos riscos.

Quando os líderes comunicam e vivem seus valores, eles inspiram e influenciam aqueles ao seu redor.

Cultura.

Como o trabalho é executado dentro de uma organização é crítico.

 Quando as expectativas são claras e a credibilidade é alta, todos entendem como trabalhar uns com os outros de forma segura e eficaz.

Interface de trabalho.

 Aqui é onde as pessoas, processos e equipamentos se reúnem para criar valor.

Se os trabalhadores estão naturalmente inclinados a olhar para o outro e executar além de suas necessidades de trabalho individuais, a segurança é mutuamente assegurada.

Confiabilidade do desempenho humano.

Esta área envolve uma compreensão dos aspectos cognitivos da falibilidade humana.

A segurança é aumentada quando tarefas e atividades estão corretas da primeira vez e de cada vez.

Governança.

Quando as intenções são transparentes e as informações são compartilhadas em toda a organização, os colaboradores entendem e têm o que precisam para serem seguros.

Sistemas de controle de exposição.

 Sistemas que especificam os processos e fornecem as habilidades necessárias para trabalhar efetivamente vai ver a consistência de segurança entre as equipes e ao longo do tempo.

Gestão de desempenho.

 Como os colaboradores são selecionados, motivados e recompensados pelo trabalho realizado afetará se a segurança é sustentada e alinhada com as demandas de trabalho.

Falhas em segurança ocorrem quando as organizações não conseguem fazer mergulhos mais profundos em áreas onde a exposição não pode ser reconhecida de outra forma.

Isso precisa mudar.

 Ao controlar as exposições, as organizações podem reduzir muito, e idealmente, eliminar a vulnerabilidade a acidentes.

A saúde e o bem estar dos colaboradores não merecem nada menos.

Estamos juntos!

Publicado por Roberto Roche

Roberto Roche ao longo de três décadas consolidou sua experiência exercendo vários cargos de alta direção em QSMS–RS & Sustentabilidade nas áreas de Óleo & Gás, Construção Civil Pesada, Montagem Industrial, Portos e Mineração em mais de 15 países na América Latina, África e Oriente Médio como Mars, Queiroz Galvao Internacional e Odebrecht Internacional e Imerys .

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *