Gestão em QSMS-RS e Sustentabilidade

Abordar a pegada de carbono da sua organização requer uma abordagem abrangente.

 As compensações de carbono são um componente viável de uma estratégia maior, e quando adquirido de forma inteligente, também pode ajudar as organizações a atender suas outras necessidades e metas de sustentabilidade dentro do processo para o ESG

O mantra do movimento de reciclagem, “reduzir, reutilizar, reciclar”, pode servir de modelo para a abordagem de uma organização à mitigação de carbono.

A ordem das ações no refrão é importante, pois nos ensinou que, embora a reciclagem seja um componente crítico, devemos primeiro encontrar maneiras de minimizar os resíduos todos juntos e reutilizar os materiais que já usamos.

 Hoje, as organizações, ao implementar suas estratégias climáticas, devem adotar um mantra semelhante a hierarquia de mitigação de carbono: “evitar, reduzir, restaurar, compensar”.

O que esse mantra significa para organizações interessadas em soluções climáticas e créditos de carbono?

Isso significa que, primeiro, as organizações devem explorar maneiras de evoluir suas práticas comerciais para eliminar ou reduzir substancialmente as emissões desnecessárias e mudar para fontes de energia mais sustentáveis.

Uma vez que isso seja realizado, as organizações devem lidar com as emissões que não podem evitar através de opções de restauração e compensação.

Ao implantar a hierarquia de mitigação de carbono, as organizações s estão minimizando a quantidade de carbono que criam antes de investir em compensações de carbono.

Uma vez que as organizações se movam para encontrar opções de compensação, ou compensar suas emissões residuais, elas devem considerar o potencial do carbono florestal como um componente climático natural de sua carteira de crédito global.

 Uma pesquisa da The Nature Conservancy mostra que as soluções climáticas naturais têm potencial para 37% da mitigação necessária das mudanças climáticas globalmente até 2030.

O melhor manejo florestal e o reflorestamento (replantio) apresentam a maior oportunidade entre as opções terrestres.

Para muitas organizações, investir em florestas pode significar ir além de simplesmente abordar sua pegada de carbono com créditos.

Florestas e produtos florestais compõem uma parte importante das cadeias de suprimentos de muitas organizações.

Garantir que as florestas permaneçam saudáveis pode significar desar risco de fornecimento futuro para suas operações comerciais.

As florestas também fornecem infraestrutura crítica para nosso sistema de água limpa natural, um recurso fundamental para quase todos os negócios.

Essas considerações podem ajudar as partes interessadas a entender como as florestas podem ser um contribuinte maior para os esforços globais de sustentabilidade de uma organização.

Outro Co benefício importante para as organizações considerarem é a origem das compensações de carbono florestal.

Há um número crescente de oportunidades para comprar créditos de carbono florestal diretamente dentro das comunidades.

No entanto, a grande maioria dos projetos de carbono existentes são desenvolvidos para setores industriais ou outros setores privados.

Abordar a pegada de carbono da sua organização não pode ser feito apenas com uma estratégia, deve se tomar uma abordagem abrangente.

As compensações de carbono são um componente viável de uma estratégia maior, e quando adquirido de forma inteligente, também pode ajudar as organizações a atender suas outras necessidades e metas de sustentabilidade dentro do processo ESG

Estamos juntos!

Publicado por Roberto Roche

Roberto Roche ao longo de três décadas consolidou sua experiência exercendo vários cargos de alta direção em QSMS–RS & Sustentabilidade nas áreas de Óleo & Gás, Construção Civil Pesada, Montagem Industrial, Portos e Mineração em mais de 15 países na América Latina, África e Oriente Médio como Mars, Queiroz Galvao Internacional e Odebrecht Internacional e Imerys .

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *