Gestão em QSMS-RS e Sustentabilidade

Falando; “Diga isso muitas vezes e você vai começar a acreditar nisso” ou “Faça o que eu digo, não como eu faço”, estamos reconhecendo a influência das palavras sobre o comportamento.

O que tudo isso tem a ver com a segurança no trabalho?

Proponho que certas palavras que usamos comumente possam contribuir para percepções ou atitudes debilitantes e contraproducentes em relação à saúde e segurança no trabalho.

Além disso, certas expressões usadas com frequência no domínio da segurança podem, na verdade, reduzir o engajamento das pessoas.

 O uso de muitas dessas palavras tornou-se habitual e muitas vezes desconhecemos como nosso comportamento verbal contribui para um compromisso menos que ideal com a saúde, segurança e bem-estar.

Este texto aponta algumas das palavras mais usadas no campo da segurança que devemos considerar eliminar de nossa linguagem cotidiana, e sugere algumas alternativas “saudáveis”.

Quando uma pessoa suja as calças, rotulamos o evento como um “acidente”, implicando a ocorrência de um evento casual sem ninguém para culpar: “Ele simplesmente não podia evitar”.

Talvez essa inferência seja justificada neste caso, mas muitas outras situações referidas como “acidentais” não tinham que acontecer.

 Os “acidentes” de trabalho geralmente não são intencionais?

 Existem fatores controláveis específicos (por exemplo, mudanças no ambiente, comportamento e/ou atitudes) que podem prevenir vários “acidentes”?

 Responder “sim” a essas perguntas implica “acidente” é a palavra errada a ser usada ao se referir a lesões não intencionais.

Continuar a usar esse termo em nossa cultura pode reduzir o número de pessoas que responderão “sim” a essas perguntas com convicção pessoal.

Precisamos usar palavras que apoiem a crença e a expectativa de que vários fatores possam ser controlados para evitar lesões não intencionais no trabalho, em casa e em toda a comunidade em geral

Nos últimos anos, o termo “incidente” foi substituído por “acidente”, mas um incidente pode ser intencional.

Por que não dizer.

Não é um “acidente” no local de trabalho, mas uma lesão ocupacional ou fatalidade que pode ser evitada com melhorias estratégicas relacionadas à segurança comportamental e do sistema de gestão.

Durante anos, muitos profissionais de transporte e segurança têm usado os termos “restrições de ocupantes” e “restrições infantis” para cintos de segurança de veículos e assentos de segurança infantil, respectivamente.

 Esses termos não só implicam desconforto e falta de controle pessoal, como também não transmite a função inestimável desses dispositivos.

Embora “cinto de segurança” seja melhor do que “contenção de ocupantes”, este termo popular não é adequado porque não descreve o dispositivo nem em função nem na aparência.

Precisamos ter o hábito de dizer “cinto de segurança” e “assento de segurança infantil”.

 Por que então estaremos transmitindo a função crítica de salvamento desses dispositivos, e assim apoiar seu uso consistente.

Anúncios de comissários de bordo em aviões a comerciais de TV, ouvimos frequentemente o slogan popular: “A segurança é nossa prioridade máxima”.

O que significa essa linguagem?

Nossas experiências cotidianas com “prioridades” nos ensinam que as prioridades mudam elas vêm e vão. Uma prioridade hoje pode não ser uma prioridade amanhã.

Dependendo das exigências do momento, muitas vezes mudamos nosso foco de uma prioridade para outra.

Queremos mesmo associar a segurança a esse termo?

Por muitos anos, defendi falar sobre segurança como um “valor” um princípio ou ideal inerente a cada prioridade, todos os dias e em todos os sentidos.

A segurança deve ser um “valor” que os colaboradores trazem para cada trabalho, independentemente das prioridades ou requisitos de tarefas em andamento.

 Uma declaração de missão de segurança deve se referir à segurança como um “valor” em vez de uma “prioridade”.

Pesquisas demonstraram que a percepção da escolha pessoal aumenta a automotivação ou a auto responsabilização, e nossas experiências cotidianas verificam essa dinâmica humana baseada em evidências.

 Considere, por exemplo, como certas palavras dos outros ou ditas para nós mesmos refletem o controle externo versus a escolha interna, e assim, implicam comportamentos outros direcionados versus auto direcionados.

Em outras palavras, qual palavra escolheria você prefere usar e receber?

Você recebeu e percebeu essa tarefa como um “requisito” ou como uma “oportunidade”?

Você prefere ser solicitado a “mudar” ou “melhorar” seu comportamento?

Essa regra de segurança foi apresentada como um “mandato” ou uma “expectativa”?

Devemos nos referir aos profissionais de segurança como “gerentes de controle de perdas” ou “facilitadores de realização de segurança”?

Devemos discutir os resultados de uma auditoria de segurança como “atender aos padrões da NR ” ou “cumprir nossa missão corporativa”?

Mesmo algumas palavras críticas usadas atualmente e frequentemente para discutir a prevenção da corona vírus são enganosas e devem ser melhoradas.

 Especificamente, somos aconselhados a manter uma distância “social” de um 1,80 dos outros quando em ambientes públicos.

 “Social” é a palavra mais apropriada para usar neste contexto?

Obviamente, a palavra “social” não implica uma distância física particular, mas reflete uma conexão interpessoal ou companheirismo que uma pessoa experimenta com um ou mais indivíduos, independente da distância física.

Algumas pessoas usam o termo mais apropriada distância “física” de 1,80m, mas “social” parece ser o adjetivo mais popular usado nos dias de hoje.

E aquelas máscaras faciais que nos pedem para usar em locais públicos?

Este dispositivo de prevenção de doenças é consistentemente rotulado EPI para “equipamento de proteção individual”.

 A palavra enganosa aqui é “pessoal”.

No local de trabalho, os colaboradores usam EPI para proteção pessoal, mas o objetivo principal da máscara facial é proteger outros da propagação desse vírus mortal.

Assim, o “I ” do EPI deve representar “público”, fazendo com que o EPI signifique “equipamentos de proteção pública”.

Dessa forma, usar uma máscara facial é comunicado como proteger os outros mais do que nós mesmos, com tal comportamento retratado como mais altruísta do que egoísta como o comportamento ativamente cuidado com as pessoas.

Esta é obviamente uma lista limitada de substituições de palavras a considerar, mas espero que a mensagem seja clara.

O simples uso de palavras pode afetar tanto a atitude quanto o comportamento.

 Considerando as ramificações do uso das várias substituições de palavras sugeridas aqui pode ser um exercício pessoal ou em grupo útil.

Adicionar alternativas a esta lista seria ainda mais benéfico.

No entanto, compreender e apreciar relações críticas entre nossas palavras, atitudes e ação é apenas metade da “batalha”.

Precisamos melhorar nossos hábitos verbais cotidianos, mas isso é mais fácil dizer do que fazer.

Estamos juntos!

Publicado por Roberto Roche

Roberto Roche ao longo de três décadas consolidou sua experiência exercendo vários cargos de alta direção em QSMS–RS & Sustentabilidade nas áreas de Óleo & Gás, Construção Civil Pesada, Montagem Industrial, Portos e Mineração em mais de 15 países na América Latina, África e Oriente Médio como Mars, Queiroz Galvao Internacional e Odebrecht Internacional e Imerys .

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *