Gestão em QSMS-RS e Sustentabilidade

A palavra “por que” é uma palavra pequena, mas pode ter um enorme impacto em um programa de segurança.

Quando perguntado no contexto adequado, pode ser o guia do comportamento seguro. 

Quando respondido completamente, pode tornar seu programa de segurança em  uma entidade coesa e complementar.

Treinamos, treinamos e treinamos mais. 

Nós auditamos, depois treinamos um pouco mais. 

Fazemos as condições físicas do local de trabalho o mais seguras possível, então treinamos um pouco mais. 

Uma verdade pouco reconhecido é que nossa força de trabalho só será tão segura quanto ela escolher ser. 

Apesar de nossos melhores esforços para torná-los seguros, os colaboradores às vezes optam por se comportar de maneira insegura. 

Porque? 

Motivações para comportamentos inseguros têm sido discutidas por indivíduos mais eruditos e haja discussão . 

Talvez outra direção neste estudo possa expor algumas verdades que podem tornar nossos programas mais eficazes. 

Talvez devêssemos olhar para motivações para um comportamento seguro. 

O que faz alguém fazer um trabalho de forma segura quando a maneira insegura é possivelmente mais rápida e fácil? 

É medo de disciplina? Não é provável. 

O medo da disciplina nos impede de ultrapassar o limite de velocidade na rodovia?

 A maioria dos infratores de regras se convencem de que (a) eles não serão pegos ou (b) eles podem falar o seu caminho para fora dele. 

Aplica-se em nossos locais de trabalho, bem como nas estradas. 

O medo de lesões pode ser um motivador para fazer o trabalho com segurança. 

Se eu fizer isso de forma insegura, posso me machucar. 

A maioria de nós tende a evitar a dor. Mas, a maioria de nós também tende a superestimar nossas próprias habilidades. 

Acreditamos que temos o conhecimento e a destreza física para evitar uma lesão. 

Depois de fazer a análise de risco/recompensa mental da tarefa, podemos nos convencer de que o risco é muito maior para aquele cara lá do que é para mim. 

Eu posso fazer isso inseguramente, e eu vou ser ileso. 

Portanto, o medo de lesões também não é um motivador confiável e consistente para comportamentos seguros. 

Tendemos a ser muito mais propensos a realizar uma tarefa se ela estiver sendo realizada em benefício de outra pessoa. 

Quando isso é aplicado ao trabalho com segurança, leva à conclusão lógica por parte do trabalhador de que é por isso que eu preciso trabalhar com segurança.

 É para aquelas pessoas que esperam em casa por nós no final do dia.

 Esse nível de motivação pode criar de forma confiável uma mentalidade de segurança e um compromisso pessoal de trabalhar com segurança na força de trabalho  apenas perguntando “por quê”. 

Essa questão também é eficaz no caso de os trabalhadores violarem procedimentos seguros. 

Se eles forem perguntados por que o fizeram, muitas vezes simplesmente ouvindo sua própria resposta perceberá a falha em sua avaliação da tarefa e os perigos potenciais. 

Responder ao “porquê” antes mesmo de ser perguntado é uma parte muito eficaz do treinamento. 

Se dependermos de todos trabalhando com segurança como resultado da leitura das regras do local de trabalho, ficaremos continuamente desapontados. 

Se, no entanto, explicarmos a gênese das regras de segurança no contexto de fornecer aos trabalhadores um meio de evitar lesões, eles são mais propensos a adotar comportamentos de trabalho seguros. 

Por que você deve seguir os procedimentos de bloqueio/tagout? Por que você deve usar corretamente equipamento de proteção individual (EPI)? Por que você deve usar ferramentas elétricas corretamente?

 Não porque temos uma regra, mas porque isso é o que pode acontecer com você se você não fizer isso, e você deve se lembrar do seu compromisso com as pessoas que se preocupam com você. 

É mais fácil (e mais eficaz) explicar por que uma regra está em vigor na frente do que explicar depois que uma lesão ocorre por que uma tarefa deveria ter sido feita com segurança.

 Mais uma vez, a chave é “por quê”. 

Isso torna nossos trabalhos como profissionais de segurança um pouco mais difíceis. 

Exige que sejamos motivacionais.

 Exige que possamos explicar grandes conceitos em termos facilmente compreendidos para pessoas que possuem diferentes níveis de interesse. 

Requer diligência. Acima de tudo, requer que levemos para o lado pessoal.

 Por que devemos levar para o lado pessoal?

 Porque cada uma dessas pessoas em nossa força de trabalho tem uma vida fora do local de trabalho, e é nossa responsabilidade equipar e fornecer a cada pessoa a motivação para fazer seu trabalho de uma maneira que não tenha impacto adverso nessa vida. 

Há aquela palavra “por quê” de novo.

 É curta, mas é poderosa.

Estamos juntos

Publicado por Roberto Roche

Roberto Roche ao longo de três décadas consolidou sua experiência exercendo vários cargos de alta direção em QSMS–RS & Sustentabilidade nas áreas de Óleo & Gás, Construção Civil Pesada, Montagem Industrial, Portos e Mineração em mais de 15 países na América Latina, África e Oriente Médio como Mars, Queiroz Galvao Internacional e Odebrecht Internacional e Imerys .

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *