Roberto Roche & Associados – Gestão em QSMS-RS e Sustentabilidade

Blog

Lidando com o ‘enigma do escopo 3’ a dor de cabeça das organizações e fundos de investimentos.

Quando os gestores de ativos assumiram pela primeira vez compromissos para alinhar seus portfólios com as tais emissões “net zero “, eles principalmente evitaram a questão espinhosa do Escopo 3.

Mas agora acabou o me engana que eu gosto e, isso não é mais possível.

Uma onda de regulamentação e escrutínio público está levando os investidores a enfrentar o que uma unidade do London Stock Exchange Group chama de “um dos problemas mais vexatórios no financiamento climático”.

As emissões de escopo 3 são aquelas produzidas pelos clientes e pela cadeia de suprimentos de uma empresa.

 Eles normalmente respondem por mais de 80% da pegada de carbono de uma organização.

 Em algumas das indústrias mais poluentes, como petróleo e gás, o número pode ser ainda maior.

O conceito não é novo, mas há uma urgência renovada entre os investidores em descobrir as implicações para as empresas em que investem bem como seus próprios compromissos climáticos.

A urgência ocorre quando reguladores da União Europeia, Japão, Reino Unido e outros países sinalizam que divulgações obrigatórias do escopo 3 estão no horizonte para as empresas.

A Comissão de Valores Mobiliários dos EUA também discutiu se os grandes emissores deveriam ser obrigados a divulgar suas emissões de escopo 3.

E por que é importante: “Sem reconhecer as emissões de escopo 3 de uma organização, não é possível entender e avaliar totalmente sua contribuição para as mudanças climáticas”.

Existem inúmeros “desafios práticos” para relatar e calcular adequadamente os números do escopo 3, e esses são os obstáculos que precisam ser superados.

A incorporação de emissões da cadeia de valor é “indispensável para uma avaliação clara dos riscos climáticos para as empresas”, mas a integração dos dados do Escopo 3 com a análise de portfólio e as decisões de investimento é “muitas vezes prejudicada” pela complexidade da contabilidade do Escopo 3.

Essa complexidade é causada por baixas taxas de divulgação, qualidade variável dos dados e baixa comparabilidade, de acordo com o relatório.

“Por um lado, é realmente crítico; precisamos desses dados, e precisamos entendê-los e trazer isso para o processo de investimento, até porque há riscos comerciais e regulatórios reais associados a essas emissões de escopo 3

 Mas, por outro lado, realmente não temos os conjuntos de dados maduros para fazer isso.

Vejamos apenas 45% das 4.000 empresas de médio e grande porte de capital aberto no FTSE All-World Index divulgam dados do escopo 3, e menos da metade delas o faz para as categorias de emissões mais materiais em seu setor.

E mesmo quando os dados existem, torná-los úteis para fins de investimento é outra questão.

Um problema é que o padrão de relatório voluntário de emissões mais utilizado, o GHG Protocol, não foi originalmente projetado com os investidores em mente.

 (O protocolo foi concebido no início dos anos 2000 e divide o escopo 3 em 15 categorias, que vão desde as emissões resultantes de bens e serviços adquiridos até viagens de negócios e processamento de produtos vendidos).

Ao contrário das emissões dos Escopos 1 e 2, que são derivadas da própria atividade de uma empresa e da energia comprada, avaliar com precisão o Escopo 3 é muito mais difícil.

Pode não ser surpresa, então, que quando os investidores na iniciativa Net Zero Asset Managers estabelecem metas para alinhar suas carteiras com emissões até 2050, eles só são obrigados a levar em conta as emissões do Escopo 3 “na medida do possível”.

Muitos dos gestores de ativos da iniciativa de US$ 57 trilhões dizem que pretendem adicionar o Escopo 3 à medida que a disponibilidade e a qualidade dos dados de emissões melhoram.

Uma pesquisa recente descobriu que os investidores devem se concentrar nas duas categorias de escopo 3 mais relevantes para uma indústria, porque essas duas categorias responderão por uma média de 81% das emissões totais de escopo 3 do setor.

No setor de energia, por exemplo, os bens comprados e o uso de produtos vendidos respondem por 88% da intensidade de emissões do escopo 3.

Ao simplificar o problema e estreitar a lente dessa maneira, “você se compromete em torno da maior parte do problema”.

Estamos juntos!

Leia mais

plugins premium WordPress

Faça agora mesmo sua inscrição

Para finalizar, selecione a modalidade da sua inscrição e efetue o pagamento:

Faltam apenas

Dias

Nos vemos lá!