Gestão em QSMS-RS e Sustentabilidade

Quando a maioria das pessoas pensam em não conformidades, elas imediatamente voltam seus pensamentos para o gerenciamento de produtos não conformes no sistema de gerenciamento de qualidade ISO 9001.

 Embora a ISO 14001 e a ISO 45001 incluam requisitos para lidar com a não conformidade no sistema de gestão ambiental e segurança, elas não têm a mesma aplicabilidade, e os requisitos não são tão extensos.  

Quando você está lidando com os requisitos para um sistema de gestão ambiental e segurança, você não está lidando com produto não conforme como você está no sistema de gerenciamento de qualidade ISO 9001.

 Na ISO 9001, o foco da exigência é ter um método para controlar o produto ou serviço que não esteja conforme os requisitos do produto ou do serviço, para que ele não seja usado ou entregue sem ser corrigido ou aceito pelas partes apropriadas.

 No entanto, quando a ISO 14001 e a ISO 45001 falam de não conformidades, os requisitos referem-se à um processo em relação aos aspectos ambientais e de segurança associados a esse processo.

Além disso, a ISO 14001 e a ISO 45001 incluem nos requisitos a necessidade de agir sobre possíveis não conformidades.

Um exemplo na questão ambiental de como isso se aplicaria seria um processo que tem um aspecto ambiental que emite uma pequena quantidade de um produto químico no ar através de uma ventilação.

O processo pode ser projetado e aprovado para emitir menos de 200 partes por milhão (ppm) na atmosfera por dia.

 A não conformidade ocorreria se esse limite fosse excedido; dizem que o processo emitia 250 ppm um dia.

Quando isso acontecer, a empresa precisaria ter um processo para lidar com a não conformidade.

Além disso, se o processo estivesse sendo monitorado e fosse notado que as emissões estavam ultrapassando o ponto normal e se aproximando do limite de 200 ppm, seria necessário agir para corrigir o problema.

A não conformidade está mais intimamente relacionada à ação corretiva e à ação preventiva na ISO 14001 e ISO 45001 do que a ISO 9001.

Em um sistema de gestão de qualidade, nem todos os produtos ou serviços não conformes levariam necessariamente a uma ação corretiva, a menos que fosse um problema recorrente.

Por outro lado, se você tem um processo que excede os limites estabelecidos para os aspectos ambientais e de segurança relacionados ao processo, é muito mais provável que uma ação corretiva precise ocorrer.

No exemplo acima, a causa do problema pode ter sido identificada como um filtro que precisa ser substituído, e essa correção seria feita, mas uma análise da causa raiz pode achar que o processo de monitoramento do filtro precisa ser aprimorado para que seja alterado antes do processo produzir emissões não conformes.

Se isso ocorresse quando o processo ultrapassasse o limite de 200 ppm, isso seria classificado como uma ação corretiva e, se fosse encontrado e corrigido antes que o limite fosse realmente excedido, as ações seriam classificadas como ações preventivas.

Há duas considerações importantes incluídas nos requisitos de não conformidade, ação corretiva e ação preventiva.

A primeira é que as ações tomadas devem ser adequadas à magnitude dos problemas e aos impactos ambientais encontrados neste exemplo.

Isso significa que você deve considerar as ações à luz de quão prejudiciais são os impactos ao meio ambiente.

 Se você estiver reagindo a um processo que dobra suas emissões de ar além do limite legal aceitável, você terá ações muito diferentes daquelas de um processo que apenas recicla 85% do papel usado produzido, em vez dos 100% completos.

A segunda consideração é que a documentação em vigor para o sistema de gerenciamento ambiental e ou de segurança precisa ser alterada, se necessário, devido aos resultados das correções, ações corretivas e ações preventivas.

Se você já possui um sistema de gerenciamento da qualidade, os processos já presentes podem ser utilizados com frequência pelo sistema de gerenciamento ambiental e de segurança, mas é importante entender as diferenças nas necessidades para que você possa fazer as alterações necessárias para atender aos requisitos.

Usando o mesmo processo pode economizar tempo e dinheiro, mas sempre lembrando que podem ser integrados.

Não fazer isso pode causar problemas que seriam facilmente evitados se fossem feitas as devidas alterações.

Estamos juntos!

Publicado por Roberto Roche

Roberto Roche ao longo de três décadas consolidou sua experiência exercendo vários cargos de alta direção em QSMS–RS & Sustentabilidade nas áreas de Óleo & Gás, Construção Civil Pesada, Montagem Industrial, Portos e Mineração em mais de 15 países na América Latina, África e Oriente Médio como Mars, Queiroz Galvao Internacional e Odebrecht Internacional e Imerys .

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *