Gestão em QSMS-RS e Sustentabilidade

Para empresas que não foram dizimadas pela pandemia, a interrupção pode criar momentos para reflexão redirecionar suas estratégias.  

 Que lições de liderança você aprendeu nos últimos meses?

 Quando a gravidade da crise ficou clara, você imediatamente se concentrou na mitigação do risco.

O que temos que fazer para ter certeza de que todos estão bem? Primeiro pensamento provavelmente

A preocupação principal era “pessoas em primeiro lugar”.

A comunicação tornou-se crítica e tornou-se mais pessoal.

É sobre as pequenas coisas, de como ter certeza de que você se encontra todos os dias e ter certeza de que todos sabem que a empresa está bem.

Eles também estão procurando por liderança, e nós temos que ser sólidos.

De um colega que sou mentor ele é o líder de QSMS na sua organização e descreveu como está atuando.

“Tenho me certificado de descansar o suficiente. Eu falo com meu diretor de operações, todas as manhãs para ter certeza de que estamos alinhados e que ambos estamos bem, porque como nós aparecemos para a equipe mais ampla importa.”

Quando estvaa no meio do epicentro do Ebola com 4000 colaboradores até me achar demorou um certo tempo.

Coletar corpos não meio da sua área não foi fácil assimilar

 É fácil nos negócios às vezes pensar: “Eu só preciso estar focado no trabalho.”

 Mas você tem que parar e se concentrar nas pessoas!

Quando nos reuníamos com a equipe, a mensagem e o tema eram foco eu sempre perguntava: “Qual é o nosso foco hoje?”

Quando há uma crise, há tantas distrações, especialmente para todos que trabalham em casa.

Eu também tenho dito: “Vamos nos concentrar em onde as oportunidades estão, e vamos imaginar sair disso quase como se isso nos acelerasse para a frente.

 Vamos sair inteiro e à frente. Essa crise é como um reset se você aproveitar a oportunidade para olhar as coisas dessa forma pelo trabalho que fazemos e em nossas vidas pessoais.

“Vamos imaginar sair disso quase como se nos acelerasse para a frente.”

Também estamos tirando pressão de pessoas que podem querer tentar fazer tudo ou muito.

Na primeira semana da crise, eu disse:

 Não vamos tentar fazer tudo.

Vamos nos concentrar nas áreas onde sabemos que teremos um impacto, e tudo bem que algumas das outras iniciativas vão ficar no banco de trás.

 Acontece que tudo estava avançando. Mas tirou a pressão mental das pessoas.

Já falei muito de mim, e você meu amigo e colega!

 Que outras lições você aprendeu sobre comunicação nesta crise?

 Este é um momento em que precisamos estar realmente sintonizados nas palavras que escolhemos como líderes.

Esses dias em nossa pequena consultoria

Alguém perguntou se estamos em um congelamento de contratações, e eu disse: “Não, nós fizemos uma pausa na contratação”

 Você tem que estar ciente do efeito de ondulação que as palavras podem ter, especialmente como um líder.

Se eu disser: “Sim, há um congelamento de contratações”, as pessoas podem, conscientes ou não, interpretar isso como um sinal maior de que as coisas não estão indo bem.

 Nem todo mundo está ciente da situação financeira saudável da empresa.

 Mas fazia sentido dar uma pausa nas contratações, porque tínhamos uma iniciativa agressiva de contratação em vigor.

Mas perdemos todos os contratos!!! E agora?

Então eu disse: “Vamos fazer uma pausa nisso.”

Mas, no geral, as pessoas estão se unindo mais. O trabalho se torna mais pessoal, e você tem vislumbres dos espaços das pessoas em casa em chamadas de vídeo. Vocês estão cuidando um do outro.

Você tem objetivos comuns em ser seguro e fazer o trabalho.

As pessoas realmente querem dizer isso quando perguntam umas às outras: Como você está? Como você está se sentindo? Se alguém ouvir uma tosse de alguém, eles dirão: Você está bem?

 Descanse um pouco. Precisamos de você. É um processo importante que podemos passar como seres humanos.

Um dos maiores desafios para os líderes é garantir que sua equipe principal opere como uma verdadeira equipe.

 Como você faz isso?

 Eu estou sempre procurando tirar o melhor de todos, permitindo que eles façam o seu melhor e dando-lhes o espaço para fazer isso.

Confiem um no outro para fazer isso.

Isso é o que eu estou esperando, e esse é o estilo de liderança que eu estou encorajando.

 E funciona. Também é egoísta da minha parte porque tanta energia pode ir para a gestão de conflitos de personalidade. Então você realmente tem que se manter firme nessa abordagem.

 E como você lida com a conversa se você tem que se envolver?

 Se uma situação não está melhorando, eu vou puxar alguém de lado e dizer: Aqui está o que eu estou vendo.

 Preciso que faça isso por mim. É assim que ele precisa ir. Você não está dando ordens ou exigindo porque é da natureza humana se rebelar nesses momentos. Então você permite que as coisas se resolvam sozinhas.

Você honra os indivíduos respeitosamente para resolver isso.

 Há diferenças de estilos, e você aponta as diferenças. E quando eles ficam no caminho do nosso foco, você apenas puxa alguém de lado e diz: “Eu preciso do seu compromisso aqui.”

Paixão, entusiasmo, convicção esses grandes atributos que tornam alguém dinâmico.

Conjuntos de habilidades são importantes, mas o que importa mais é o espírito em que eles fazem o que fazem.

Se você tem convicção, isso aparece como credibilidade.

Recentemente eu disse a alguém que eu estava entrevistando:

“Você deve ser um crente. Se você não é um crente , você não vai conseguir !

Queremos crentes. Você deve acreditar em si mesmo, na empresa, e o que estamos fazendo aqui.

 Isso é convicção.

Estamos juntos

Publicado por Roberto Roche

Roberto Roche ao longo de três décadas consolidou sua experiência exercendo vários cargos de alta direção em QSMS–RS & Sustentabilidade nas áreas de Óleo & Gás, Construção Civil Pesada, Montagem Industrial, Portos e Mineração em mais de 15 países na América Latina, África e Oriente Médio como Mars, Queiroz Galvao Internacional e Odebrecht Internacional e Imerys .

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *