Gestão em QSMS-RS e Sustentabilidade

Assistindo a programas em uma mídia nas últimas semanas sobre alguns grandes acidentes ambientais, sendo um nos Estados Unidos e outro na China, não pude deixar de pensar nos nossos.

E este ano infelizmente, estamos presenciando vários, na Amazônia e agora as manchas de óleo.

Agora;

Derrames de óleo temos vários quase que diariamente em nossos corpos d’água nos diferentes modais de transporte, e por que agora? Por que sua praia favorita sujou?

Para quem é da área sabe que gestão de riscos, prevenção, equipe treinadas para pronta resposta a emergências, bem como gestão de crises são fundamentais para a sobrevivência da sua marca /organização.

Existe culpado em todos esses acidentes, NÃO, o culpado somos nós mesmos que não temos cultura de prevenção a não ser quando te incomoda, aí é outra história.

Comecei a me questionar se estávamos preparados para lidar como uma situação daquelas e se nossas equipes estariam prontas para uma eventualidade deste porte?

Já passei por vários acidentes ambientais em diversos países, e não tem diferença, depois de uma pronta resposta ao atendimento do acidente, vem o que eu particularmente chamo de prestação de contas da hora da verdade.

Pois vem o trabalho com as comunidades afetadas, com psicológico dos próprios funcionários, com a mídia e claro no final com os acionistas.

E todos envolvidos saem desgastados.

NÃO EXISTE ZONA DE CONFORTO para quem trabalha na área de QSMS-RS e Sustentabilidade empresarial e não deveria existir mesmo seja em qualquer empresa independente do negócio, pois é um exercício que tem que ser praticado todo dia e que envolve a todo um departamento de Sustentabilidade e a empresa.

É muito bonito falar de Sustentabilidade, segurança do trabalhador e etc., mas na hora do acidente, se você não tiver com o dever de casa feito, a exposição a partes interessadas é cruel.

Quando falo em dever de casa feito, significa estar 100% em compliance!

Não é novidade que depois de um desastre socioambiental comecem aparecer falhas em compliance da organização.

Um bom planejamento para gerenciar acidentes ambientais ainda é renegado por muitos, a máxima de que só acontece com o vizinho é muito forte em nossos costumes.

Desde que eu siga as regras e a lei, tudo está bem!!!!!!!!!!!

Mas quando acontece um acidente como: vazamento de produtos, rompimento de barragem de resíduos, o tombamento de um caminhão com produto perigoso ou vazamento de óleo da embarcação.

Vamos à pergunta:

Será que a empresa está pronta para agir na hora da crise? Será que o plano de emergência estará em dia? Será que o pessoal realizou treinamentos e simulados recentemente?

Relações Comunitárias, Comunicações, Relação Instrucionais estão alinhadas e prontas para gerenciar a crise?

Bem, se não conseguir responder a estas perguntas de pronto e nem a sua equipe, acho bom começar a pensar seriamente a respeito.

Muitas empresas, mesmo depois de anos, ainda são referência na mídia para qualquer novo acidente ambiental, como mau exemplo de conduta e administração.

Quanto custa a imagem arranhada da empresa?

Relevar medidas de prevenção ambiental e ter uma equipe treinada para tal, normalmente é dado a sua caracterização como questão marginal, altamente dispendiosa.

Mas os tempos são outros, com o passar dos anos as empresas líderes no mercado começaram a apreender da necessidade de implantar uma gestão a acidentes ambientais tanto na prevenção e na pronta resposta e não apenas com custos a serem assumidos pós um acidente, mas principalmente a representatividade que os investimentos alcançariam nos negócios futuros e as consequentes vantagens competitivas que daí adviria.

O custo dos impactos ambientais é altíssimo.

A sociedade não aceita mais qualquer tipo de agressão ao meio ambiente.

Definindo-se as responsabilidades de operação do sistema, os planos de contingência e emergência, os riscos em potencial, os treinamentos necessários e a conscientização e competência face ao meio ambiente, estará à empresa elaborando um bom plano para o gerenciamento de risco, ou seja, o conjunto de procedimentos necessários à identificação e ao controle dos aspectos que podem causar ou causam impactos ambientais significativos.

Mesmo a despeito da existência de instrumentos de prevenção a acidentes, ainda são registrados diversos acidentes e vão continuar acontecendo infelizmente.

Faz-se imprescindível tomar uma atitude quanto à prevenção e pronta resposta a acidentes ambientais, como forma de garantir até mesmo própria existência do negócio, pois, embora em número menor, existem empresas preocupadas em conciliar a proteção ambiental com o desenvolvimento, e em função disso já têm ganhou destaque com sua marca no mercado global.

Estamos juntos!

Publicado por Roberto Roche

Roberto Roche ao longo de três décadas consolidou sua experiência exercendo vários cargos de alta direção em QSMS–RS & Sustentabilidade nas áreas de Óleo & Gás, Construção Civil Pesada, Montagem Industrial, Portos e Mineração em mais de 15 países na América Latina, África e Oriente Médio como Mars, Queiroz Galvao Internacional e Odebrecht Internacional e Imerys .

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *