Gestão em QSMS-RS e Sustentabilidade

Nós temos observado em nossas due dligencies de nível de maturidade e comportamental em alguns dos nosso clientes ,  o que eu chamo  de “decisões ocultas” , ou aquela decisões que ninguém ousa a questionar .

E isso, afeta o comportamento de todos e algumas vezes com consequências  terriveis para não dizer fatais

É claro que devemos garantir que façamos todo o possível para que todas as condições técnicas e ambientais sejam ideais para manter nosso pessoal tão seguro quanto razoavelmente possível. 

A maioria dessas condições são simples e quase senso comum.

 Se um local de trabalho é tão quente que as pessoas não podem se concentrar, acidentes são mais prováveis. 

Se uma máquina não foi devidamente mantida e não está funcionando bem, é provável que alguém se machuque.

No entanto, mesmo que nossas condições técnicas e ambientais sejam perfeitas, há mais, podemos e devemos fazer.

 Devemos tentar evitar decisões “ocultas” que coloquem em risco os outros , talvez até meses após a decisão ser tomada.

Para identificar algumas dessas decisões “ocultas” que resultam em comportamentos humanos adversos, aqui está uma série de perguntas que os costumo realizar nas minhas investigaçoes de acidentes

– O diretor/presidente  contratou o preço mais baixo da tomada de preços  para um serviço sabendo muito bem que isso causará dificuldades mais tarde ,  por quê?

 -O gestor de ativos do cliente concordou em aceitar a menor oferta, sabendo que o contratante provavelmente não será capaz de cumprir ,  por quê?

-Tem o gerente de materiais comprado em ferramentas/equipamentos que não são muito certos para o trabalho ,  por quê?

– O gestor de recursos humanos aprovou a contratação de pessoas sem  competências para o trabalho,  por quê?

– O supervisor encarregado do trabalho aceita materiais inferiores e novos começos colaboradores sem competência , por quê?

–  Alguns colegas de trabalho estão colocando pressão irracional sobre outros operadores, por quê?

– Operadores sujeitos a esta pressão irracional relatou isso ao seu gerente/supervisor ,  se não ,por quê?

–  Se informado desta pressão irracional, o gerente tomou medidas para impedi-lo, se não, por quê?

–  Existe algum tipo de fator técnico ou ambiental que está dificultando o trabalho., por que isso aconteceu?

–  Qualquer operador sujeito a essas condições insatisfatórias relatou isso ao seu gerente/supervisor,  se não ,por quê?

– Se o gestor está ciente de uma condição insatisfatória, tomou-se medidas para corrigi-la , se não ,por quê?

– São as pessoas que estão fazendo um trabalho trabalhando inseguramente,e por quê?

– Algum da equipe de operações notou o trabalho inseguro, se não, por quê?

–  Se um operador viu uma condição/ação insegura, parou o trabalho , por que não?

– Se um supervisor foi informado de uma condição insegura, medidas foram tomadas para removê-la , se não, por quê?

– Se um supervisor se recusou a tomar medidas corretivas e o operador ainda está preocupado com as condições inseguras, ele/ela passou para um gerente sênior, se não, por quê?

Provavelmente sabemos as respostas para essas perguntas. 

No entanto, é uma boa lista de verificação para fazer alguma investigação profunda de acidentes e penetrar em algumas causas profundas que geralmente estão escondidas.

São + 35 anos de profissão na linha de frente , é impressionta que quando começo a fazer essas perguntas , a fisionomia das pessoas mudam .

E sempre vem a pergunta como é que você sabia o que perguntar ? rsrsrs

A melhor maneira de ensinar seu pessoal sobre “decisões ocultas” é lembrar que existe uma gama de cenários bem factiveis e realistas  ( consequência ) se tormarem essa decisão !

Estamos juntos

Publicado por Roberto Roche

Roberto Roche ao longo de três décadas consolidou sua experiência exercendo vários cargos de alta direção em QSMS–RS & Sustentabilidade nas áreas de Óleo & Gás, Construção Civil Pesada, Montagem Industrial, Portos e Mineração em mais de 15 países na América Latina, África e Oriente Médio como Mars, Queiroz Galvao Internacional e Odebrecht Internacional e Imerys .

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *