Gestão em QSMS-RS e Sustentabilidade

Se não, cuidado, o mundo corporativo e sociedade com sua conscientização e anseios já mudaram faz tempo.

Se sim, o que está faltando????

Aqui escreve um Ex vice-presidente QSMS-RS & Sustentabilidade e agora de regresso ao Brasil gostaria de dividir minha visão depois de 25 anos como expatriado.

Organogramas normalmente possuem caixinhas para determinar as chefias na corporação, seja para diretor executivo (CEO), diretor financeiro (CFO), diretor de operações (COO) e também para indicar posições de responsabilidade sênior para áreas de operações e estratégicas.

No entanto, algumas organizações que possuem um compromisso explícito de práticas de negócios sustentáveis, ainda não concederam a mesma posição sênior para a pessoa responsável por essas iniciativas tanto de Sustentabilidade como de QSMS-RS.

Observam se muitos cargos de analistas, supervisores e alguns gerentes, mas cargos de diretoria ainda são poucos para a grande quantidade de empresas existentes no Brasil, independente da atividade econômica e tamanho.

Quando a responsabilidade da posição deveria estar ligada ao CEO e ao Board dando suporte na viabilidade do negócio tanto na parte de compliance de QSMS-RS, como na parte das ações de Sustentabilidade.

Em outros países há um número crescente diretores de sustentabilidade (CSO) reportando ao CEO e ao conselho.

Mas ainda lamentavelmente, para muitas organizações a questão sobre sustentabilidade e QSMS-RS somente é vista como qualquer outro setor na organização.

Não sendo percebida com uma visão ampliada do negócio ou responsabilidade estratégica como compliance e governança.

Assistimos alguns acidentes ambientais nestes últimos meses no Brasil, e no mercado global equívocos na questão de um produto ser sustentável e que na realidade não passava de mais um caso de famoso Green washing.

Percebe se claramente a falta de responsabilidade quanto à questão de sustentabilidade e QSMS-RS nestes casos.

“O green washing é a prática de utilizar a publicidade para promover um compromisso com a sustentabilidade, mas que não possui nenhuma evidência real na prática operacional”.

Algumas empresas em seu marketing dizem as coisas certas nas questões de Sustentabilidade e QSMS-RS, mas na realidade não realizam nenhuma alteração significativa em suas práticas de negócios que suportem a esses compromissos.

Casos como estes, temos vários a todo o momento. Será que o pessoal de marketing ou comunicação corporativa ainda acredita que cartazes com colaboradores sorrindo ou segurando uma plantinha influenciam a opinião da sociedade?

Com base nisso, muitas empresas não realizam a necessidade de apoiar as iniciativas de sustentabilidade e QSMS-RS com uma estrutura organizacional formal e com métricas operacionais (Kpis).

A área de conformidade pode certificar que a empresa não está quebrando nenhuma regra (depois dos acontecimentos todos falam de compliance agora!), e a área comercial certificar de que estão a promovendo todos os esforços de um bom relacionamento com a comunidade em nome da sustentabilidade e responsabilidade social empresarial (RSE).

Mas…. Desde que não excedam o que for exigido por lei e indo além da conformidade ordinária.

Mas felizmente a realidade está mudando, o mercado é cada vez mais competitivo e como se fala nos círculos de gestão, “existem dois tipos de empresa: as rápidas e a mortas”. Isto geralmente se refere ao um pré-requisito absoluto para a agilidade a fim de manter o sucesso do negócio, a capacidade de ver as tendências no horizonte e agir rapidamente para aproveitá-los.

Se o acima não convence, vejamos:

As organizações precisam estar preparadas para atuar nem futuro de poucos recursos naturais, por volta de 2030 estima-se que haverá no mundo uma população ao redor de 9 bilhões de pessoas, pressionando a demanda por energia, água, alimentos e o uso da terra.

Como consequência, o meu e o seu planeta enfrentará uma intensa pressão por recursos naturais. “Isso significa maior competição por recursos e os CEOs terão de fazer uma avaliação mais crítica dos cenários para se antecipar a possíveis crises”, os fatos por si só já estão presentes para testemunhar.

Hoje temos falta de água em São Paulo e empresas gritando por energia.

Imagine quem não tomar iniciativas quanto à sustentabilidade, quando estes recursos estiverem mais escassos.

Observa se um crescimento das ações de sustentabilidade em algumas empresas independente do porte e não se pode negar. Sem dúvida é impulsionada por consumidores que cobram cada vez mais uma atividade produtiva voltada para a minimização de impactos no meio ambiente.

Bem, como não tem volta à questão de Sustentabilidade e QSMS-RS, e é uma questão uma visão estratégica de sobrevivência.

Vale a pena levantar algumas situações a quem ainda não este totalmente convencido e ainda insiste em green washing.

Quem na organização dará suporte ao CEO e ao conselho sobre o resultado das metas em questão de eficiência, redução de custos, e os Kpis quanto ao retorno do investimento na área de Sustentabilidade e QSMS-RS?

Atualmente, são mais de 35.000 normas, leis e etc., relacionadas à questão ambiental, segurança do trabalho, saúde ocupacional e responsabilidade social. Quem irá realizar a gestão das obrigações destas?

Conquistar a preferência dos investidores e instituições financeiras com iniciativas de Sustentabilidade e QSMS-RS?

A sociedade já não está mais disposta a se contentar somente com slogans de publicidade sobre questões de Sustentabilidade.

Não basta ter só um departamento de Sustentabilidade e QSMS-RS, mas tem que mostrar seu comprometimento efetivo.

Mentira tem pernas curtas, depois que uma imagem empresarial é arranhada, não se recupera mais!

Clientes, parceiros e investidores agora esperam ver compromissos sérios, transparentes e firmes, divulgações dos relatórios de sustentabilidade e querem saber como a empresa é realmente comprometida.

Empresas pegas em fraudes ou onde aconteceram os desastres ambientais possuem websites espetaculares e com missões e valores e etc.? Como aparecem agora perante o público?

Se a empresa planeja incorporar práticas em negócios sustentáveis como um valor fundamental a ser agregado, também deve abraçar a responsabilidade de um compromisso público com resultados tangíveis.

Criar um cargo de diretor de Sustentabilidade e QSMS-RS (CSO) em uma organização independente do tamanho, mas sem ter nada, pode parecer que você está tentando correr antes de dar primeiro passo, mas sem dúvida é o início de um longo caminho a seguir.

E por onde começar?

A conformidade em QSMS-RS é um ótimo lugar.

Promover ativamente o fato que você dedica tempo e recursos para a manutenção da conformidade com as normas e regulamentos pode ser um bom primeiro passo no seu caminho para a sustentabilidade.

Essa conformidade envolverá todos os departamentos que são objetos de regulamentação, desde compras até a entrega do produto ou serviço final.

Nesse sentido, a sustentabilidade e QSMS-RS agem como um mecanismo de gerenciamento de risco.

O próximo passo pode ir além da conformidade básica, pode ser: melhorar a eficiência energética e na redução de custos através de criatividade e inovação incorporando maior sustentabilidade ao produto.

Mudança para a energia eólica, energia solar ou utilização de biomassa como fonte de energia e etc. Para reduzir as emissões de carbono seriam bons exemplos.

Isso irá permitir a diferenciação de marca e identificação de oportunidades de negócios.

Para obter uma vantagem estratégica, no entanto, implicaria uma transição formal para a sustentabilidade como um valor fundamental a ser agregado na cultura da empresa.

Produtos e serviços que você oferece aos seus clientes precisam realmente refletir seu compromisso com as ações de Sustentabilidade e QSMS-RS.

Isso normalmente envolve inovação, ao começar a redesenhar os produtos existentes, serviços, gestão e metodologias de engajamento, além de ampliar suas ofertas.

Tudo isso posto, acredito que você pode estar pronto para abrir essa vaga de Diretor de Sustentabilidade e QSMS-RS (CSO) na sua organização.

Estamos Juntos!!!

Publicado por Roberto Roche

Roberto Roche ao longo de três décadas consolidou sua experiência exercendo vários cargos de alta direção em QSMS–RS & Sustentabilidade nas áreas de Óleo & Gás, Construção Civil Pesada, Montagem Industrial, Portos e Mineração em mais de 15 países na América Latina, África e Oriente Médio como Mars, Queiroz Galvao Internacional e Odebrecht Internacional e Imerys .

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *