Gestão em QSMS-RS e Sustentabilidade

Acidentes de trabalho continuam acontecer, estatísticas mostram números por segundo nas últimas três décadas

Sou profissional da área a 4 décadas, bem antes de famoso comportamento seguro ou BBS para os íntimos.

Durante este período, a segurança baseada em comportamento (BBS) foi um dos mais populares processos novos para ser implementada no local de trabalho.

Uma vez que houve uma forte correlação entre o uso de BBS e diminuições nas taxas de acidente, o BBS foi creditado como contribuição para as melhorias.

Alguns dos créditos foram merecidos e alguns questionáveis, mas o fato permanece que BBS, e nem qualquer outro esforço de segurança, diminuíam os acidentes durante este período.

Vamos analisar alguns fatores que podem ter contribuído.

Heinrich;

 Herbert William Heinrich era um Superintendente Assistente da divisão de engenharia e inspeção da companhia de seguros do viajante que publicou um trabalho sobre segurança em 1931 que foi acreditado e seguido na maioria das abordagens de BBS.

Ele postulou que até 95% dos acidentes foram causados por “atos inseguros” e poucos foram causados por condições de trabalho.

Enquanto Heinrich tinha milhares de investigações de acidentes para fundamentar as suas conclusões, a maioria foi completada por supervisores com pouca ou nenhuma formação em técnicas de investigação e sem foco em fatores que impactaram a estes atos inseguros.

Heinrich, também, observou que havia uma relação numérica de acontecimentos graves para um número maior de eventos menos graves que levou seus seguidores a acreditar que o trabalho sobre as causas de todos os eventos impactaria severidade nos mesmos índices.

Ele ilustrou este conceito como uma pirâmide com atos inseguros como base, quase-acidente em seguida, então os níveis de severidade maior até fatalidades na ponta.

Especialistas no assunto (Nossa! como hoje em dia temos vários);

Os primeiros fundadores do BBS eram todos acadêmicos (Lembra alguma coisa como a “NOVA VISÃO”?).

Eles tendiam a definir a segurança em termos de sua própria experiência educacional: psicologia, Sociologia, ciência comportamental, gestão de desempenho, etc.

Enquanto isso dava ao BBS uma base científica sólida, eles tendiam a ignorar a realidade empresarial e questões ambientais.

Foram desenvolvidos processos e fórmulas postuladas que não permitiam sempre diferenças organizacionais e industriais.

Assim, os comportamentos do colaborador foram vistos em um vácuo como algo a ser modificado sem a necessidade de abordar outros fatores que poderiam afetar a acidentes.

Desde de que Heinrich foi publicado e aceito pelos pares, os acadêmicos aceitaram suas instalações sem questionar.

As primeiras formas de BBS simplesmente foram copiadas de uma lista de comportamentos de um outro site ou fornecedor e modificando os comportamentos com o tempo e aos sabores de quem divulgava sobre ter a “BALA DE PRATA DA SEGURANÇA”.

Mais tarde, vários praticantes descobriram que a análise de Pareto-tipo de dados do acidente passado poderia ajudar a formar uma lista mais orientada de precaução comportamentos que poderia mais eficazmente acidentes de impacto.

Mesmo assim, a maioria dos processos BBS tentaram modificar muitos comportamentos ao mesmo tempo.

 Isto resultou em progressos lentos e uma dependência de feedback regular dos observadores para manter a longa lista de comportamentos em mente.

Negligenciando Influencias;

Desempenho Humano e Organizacional (HOP) foi desenvolvido, em parte, por causa da descoberta de que muitas abordagens BBS não apenas perderam o conceito de severidade, mas também ignoraram influências no comportamento do colaborador que competiam com o feedback do observador.

 Como o feedback da observação foi visto como necessário, outros fatores foram amplamente ignorados.

Esses outros fatores estavam frequentemente envolvidos, direta ou indiretamente, em acidentes e fatalidades mais graves.

 O HOP tende a especular quais fatores modelam os comportamentos e como resolvê-los.

A premissa inicial sobre o BBS teve a oportunidade perfeita para descobrir essas influências sobre o comportamento no momento em que o comportamento foi observado.

 Mas, em vez de perguntar por que, e documentar as influências sobre os comportamentos, eles continuaram dando feedback e tentando alterá-los artificialmente.

Buscando culpados;

Muitos dos primeiros fundadores da BBS agora dizem que nunca pretenderam que fosse um processo de “culpar o trabalhador”, mas eles foram rápidos em citar a Heinrich para vender seu processo.

 Então, qual diálogo moldou as reações dos líderes organizacionais?

“Não culpe o colaborador “, ou “Os atos inseguros de seus colaboradores são responsáveis ​​por até 95% dos seus acidentes?

” As falácias” das suposições de Heinrich foram desafiadas e expostas nos últimos anos, mas seu trabalho altamente impactou o foco dos esforços da BBS.

 Este foco no inicial do BBS ignorou as preocupações de gravidade e outras influências sobre o comportamento do local de trabalho, liderança e cultura.

Em defesa do BBS, nem todas as abordagens caíram nessas armadilhas, mas as que não fizeram foram uma pequena parte do número total de implementações do BBS durante esse período.

 Algumas formas de BBS nem sequer afirmam abordar aos acidentes graves, mas deixam isso para a segurança tradicional.

Essas abordagens simplesmente usam o BBS para eliminar os acidentes com baixa probabilidade e gravidade mais baixa, que tendem a passar despercebidos pelos controles administrativos tradicionais.

Independentemente de sua abordagem do BBS abordar ou não acidentes graves, você realmente precisa considerar impedi-los de uma forma ou de outra, porque as práticas atuais não estão se mostrando eficazes ao fazê-lo.

Estamos juntos!

Publicado por Roberto Roche

Roberto Roche ao longo de três décadas consolidou sua experiência exercendo vários cargos de alta direção em QSMS–RS & Sustentabilidade nas áreas de Óleo & Gás, Construção Civil Pesada, Montagem Industrial, Portos e Mineração em mais de 15 países na América Latina, África e Oriente Médio como Mars, Queiroz Galvao Internacional e Odebrecht Internacional e Imerys .

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *