Gestão em QSMS-RS e Sustentabilidade

Ignorando diferenças culturais, pensando na segurança como um custo entre os descuidos muitas organizações vem empurrando com a barriga a questão de segurança do trabalho, até ocorrer uma fatalidade.

No decorrer da minha vida profissional, eu presenciei acidentes fatais, mas também, vidas salvas com as devidas precauções de segurança.

Quando os colaboradores colocam suas vidas em perigo, é sua responsabilidade” GESTOR “moral e legal mantê-los seguros.

Ao evitar esses 10 erros que volta e meia observo em nossas auditoria ou diagnósticos de maturidade, você pode prevenir acidentes antes que ocorram.

1. Pensar que a segurança é uma responsabilidade da linha de frente em vez de uma responsabilidade de alta gestão

Muitas vezes, as pessoas do topo pensam na segurança como algo que você delega para supervisores de nível inferior ou os próprios colaboradores.

Mas o negócio é o seguinte:

Sem a liderança de segurança vindo do topo, nenhuma organização jamais desenvolverá uma cultura genuína de segurança.

 Sem uma cultura de segurança, você nunca verá segurança em todos os níveis de uma organização, ou um verdadeiro espírito de segurança de equipe, ou decisões consistentemente boas tomadas até o nível da linha de frente.

2. Olhar para a segurança como um custo adicional

Muitas organizações colocam cartazes que dizem “segurança em primeiro lugar” em suas fábricas, mas para muitos, suas ações não se alinham com suas palavras.

Uma vez que você começa a “orçar para a segurança” e pensar nisso como um “custo”, você já perdeu de vista “segurança primeiro”.

De acordo com Paul O’Neill, Ex CEO da Alcoa (Falecido a poucos dias);

 “A segurança nunca deve ser uma prioridade. Deve ser uma pré-condição. Antes de se levantar e andar por aí, você tem que respirar. Segurança deve ser como respirar. Deve ser uma pré-condição para o comportamento organizacional.”

3. Pensar que alguns acidentes são inevitáveis

Você deve sempre trabalhar a partir de uma suposição de que você pode obter a sua organização para zero acidentes.

No minuto em que você admitir que algum é inevitável, você está assinando e renunciando à responsabilidade pela segurança.

Se você diz, “Nada poderia ter sido feito para evitar isso”, você está incapacitando futuras medidas preventivas.

Se você diz, “Humanos são imperfeitos, coisas ruins vão acontecer”, você está garantindo a próxima rodada de coisas ruins.

Se você é um gestor de segurança, você deve sempre, em todas as circunstâncias, dizer que o único número aceitável pares acidentes é ZERO!

4. Usando incentivos de segurança equivocados

Em um esforço para melhorar seus Kpis, algumas organizações oferecem incentivos equivocados, como recompensar quem ficar três meses sem acidente.

Pode parecer um passo lógico e positivo, mas é uma má ideia.

Minha experiência diz que tais incentivos levam a encobrir acidentes, em vez da redução.

 Gestores e até mesmo colaboradores simplesmente não relatam mais para não quebrar sua sequência e ganhar um prêmio.

Para obter incentivos úteis, recompense esforços positivos para criar condições seguras.

5. Dizendo que você não pode evitar a estupidez

Repetidas vezes, ouvi o refrão: “Você não pode evitar a estupidez “.

 Como se, não importando quais precauções de segurança fossem tomadas, as pessoas fossem responsáveis ​​por sua própria segurança, e se fizerem coisas estúpidas, acidentes acontecerão.

Essa é uma atitude perigosa, é imperdoável.

Isso significa que você está assumindo que algumas lesões são inevitáveis ​​e está ignorando a cadeia de responsabilidade que leva a todas as lesões, que nunca são culpa de uma pessoa.

Lesões não acontecem porque as pessoas são estúpidas, acontecem por falta de treinamento, EPI inadequado ou uma cultura de segurança inexistente.

6. Esquecer que seus colaboradores falam idiomas diferentes;

Não sei dizer com que frequência estive em fábricas ou em canteiros de obras onde a maioria dos colaboradores falavam a linguagem (gírias) do próprio local e a sinalização de segurança não retratava a realidade deles de interpretação.

A segurança não é negociável, independentemente da linguagem que se fala.

Se você possui funcionários de várias regiões, deve dedicar tempo, esforço, educação necessária para garantir sua segurança.

7. Ignorando questões culturais;

É comum colaboradores de outros estados. Isso leva a desencontros perigosos de cultura.

Geralmente têm hábitos muito diferentes quando se trata de saúde e segurança.

Podem renunciar ao EPI adequado e deixar de relatar ferimentos porque subestimam a gravidade dos ferimentos, querem parecer durões ou estão preocupados em perder o emprego.

É sua responsabilidade proteger as pessoas. Isso significa entender as diferenças culturais e deixar todos à vontade para relatar lesões, condições inseguras e desconforto com a segurança de determinadas tarefas.

8. Maus hábitos de compra e armazenamento de EPI

Ninguém deve ter permissão para selecionar EPI que não tenha experiência direta com o trabalho.

Caso contrário, o EPI impróprio será comprado. Ou ele não fornecerá proteção adequada ou fornecerá muita proteção, à custa de ser muito volumoso ou desconfortável para realmente ser usado.

Muitas organizações cuidam especialmente de seus EPIs caros, bloqueando-os com cuidado do outro lado da fábrica.

Mas se o EPI não for facilmente acessível e conveniente para os colaboradores, eles não o usarão. Um bom EPI é valioso, mas somente se for usado.

9. Se contentar com treinamento ruim e treinadores maçantes;

Muitos treinamentos não produzem resultados, e os treinadores parecem não perceber por que falharam.

“Esses colaboradores são burros”, dizem eles. “Eles não ouvem.”

Mas adivinhem? Se os colaboradores não estão ouvindo seu treinamento, é seu o fracasso, não o deles.

Muito provavelmente, seu treinamento é muito genérico ou chato.

 É sua responsabilidade tornar o treinamento atraente e eficiente!!

10. Manter estatísticas inúteis;

Provavelmente você mantém Kpis sobre quase tudo. Em média, você tinha, digamos, 12 acidentes por mês este ano e 14 por mês no ano passado. Parabéns, você melhorou.

Mas desculpe-me por perguntar: Como o conhecimento disso realmente ajuda você a tornar as pessoas mais seguras?

Para que seus Kpis sejam úteis, eles precisam ser muito detalhados.

Você precisa saber quais lesões específicas estão acontecendo, quais máquinas estão envolvidas, qual EPI está sendo usado e muito mais.

Ter esse tipo de informação permitirá identificar padrões e tomar medidas para evitar acidentes futuros.

Estamos juntos!

Publicado por Roberto Roche

Roberto Roche ao longo de três décadas consolidou sua experiência exercendo vários cargos de alta direção em QSMS–RS & Sustentabilidade nas áreas de Óleo & Gás, Construção Civil Pesada, Montagem Industrial, Portos e Mineração em mais de 15 países na América Latina, África e Oriente Médio como Mars, Queiroz Galvao Internacional e Odebrecht Internacional e Imerys .

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *