Gestão em QSMS-RS e Sustentabilidade

Inspeções das saídas de emergência são críticas! Quando foi a última vez que você verificou?

Nossa consultaria nesses últimos meses, tem se dedicado a revisar procedimentos e elaborar tanto plano de gestão de crises e continuidade do negócio bem como planos de emergência.

Sempre, que revisamos, baseado em nossa vivência na área, pedimos aos nossos clientes para dar uma revisada em suas saídas de emergência para não só ficar com procedimentos no papel, ou em simulados com data e hora marcada (Irc…), parece simples e sem importância essa lembrança que faço aos nossos colegas.

MAS NÃO É, principalmente depois que a confusão começa!

Devido a negligência por falta de atenção, as rotas de acesso em várias instalações são mal sinalizadas e quase sempre tem obstrução.

Seja como conformidade/ segurança, é obrigatório que as indústrias construam saídas de emergência dentro das instalações e garantam que elas sejam bem mantidas.

Dependendo do tamanho da instalação, o número de saídas é determinado para atender a um plano de saída ideal.

Normas definem a rota de saída como um “caminho contínuo e desobstruído de saída de qualquer ponto dentro de um local de trabalho para um lugar de segurança”.

 As qualificações para uma saída de emergência são:

– Deve estar em um local permanente

– Localização que é facilmente acessível

– Bem-controlado e mantido

Ao realizarmos inspeções em locais de alguns de nossos clientes, observamos que a inspeção de uma rota de saída ainda às vezes, ignoradas.

 Colaboradores sejam em qualquer segmento econômico lidam com perigos como o risco de um incêndio, liberação química ou um desastre semelhante em uma base diária.

Se tal evento se ajusta a necessidade de evacuar as pessoas rapidamente e com segurança é preciso estar verificando constantemente

Inspeção de saídas de emergência ajudam a identificar problemas comuns de rota de fuga, e fornece ideias para superar obstruções na rota de evacuação.

Há situações em que mover objetos ou equipamentos, como empilhadeiras, e outras máquinas bloqueiam o caminho de saída, mas passam despercebidos.

Além disso, os colaboradores podem ter uma prática de armazenar materiais ao longo do caminho como eles não têm conhecimento dos efeitos de tais ações.

 Nesses casos, as inspeções devem abraçar a conscientização para evitar potenciais implicações em um futuro próximo.

Os fatores contextuais não devem ser ignorados e as observações devem ser resumidas sucintamente.

A inspeção deve assegurar que a rota de saída tem marcações claras ao longo dos seus comprimentos.

 As pinturas reflexivas em escadas, em trilhos, e em portas da escada, em setas brilhantes e em um relâmpago bateria-operado da emergência asseguram-se de que os povos possam claramente encontrar e distinguir a rota em um escuro ou em um fumo.

Um bom housekeeping e as condições de trabalho são essenciais à segurança de todos seja em áreas do escritório e chão de fábrica.

Estas configurações são comprovadas por arranjos ordenados de todos os dispositivos, pisos livres de derramamento, mangueiras bem aninhadas e cabos e relâmpago adequado.

Detecções antecipadas (inspeções) e esforços dedicados em ações imediatas são uma chave para proteger a todos durante uma emergência.

Após uma inspeção, deve se solidificar a importância do «caminho desobstruído» para os colaboradores.

 Bloqueios e obstruções nas portas de saída e rotas podem produzir atraso, confusão e pânico em caso de emergência e agir como um perigo de segurança.

A gestão deve ajudar a recriar hábitos de trabalho, designar e treiná-los para auxiliar e em uma evacuação segura, ordenada e imediata de outros funcionários.

 Os colaboradores devem ser responsáveis o suficiente para relatar um risco grave para gestão e podem salientar a realização de uma inspeção nessa área.

Nossa recomendação;

Como os locais de trabalho podem mudar, devemos ter listas de verificação prontas de rotas de evacuação e passar por elas devem fazer parte de suas inspeções de segurança agendadas.

Em ambientes de alto risco, o perigo se esconde dentro da periferia e o ônus de garantir condições seguras reside na gestão e seus colaboradores.

Os desastres tendem a chegar sem avisar, mas com inspeções executadas como rotina pode-se embarcar em medidas cautelares com antecedência.

Estamos juntos!

Leia mais