Gestão em QSMS-RS e Sustentabilidade

Investidores e outras partes interessadas têm sido francos sobre os riscos ambientais, sociais e de governança (ESG) há algum tempo.

Para organizações e diretores que têm lutado para entender o porquê, basta olhar para o impacto que a pandemia COVID-19 teve em sua própria organização.

Em muitos aspectos, o COVID-19 ampliou a necessidade de as organizações se concentrarem na sustentabilidade a longo prazo usando um foco no ESG.

 Também demonstrou a necessidade de ampliar a definição de um grupo de stakeholders à medida que as organizações pensam sobre o impacto de suas ações nos acionistas, bem como em colaboradores, clientes, fornecedores, comunidades e outros.

Aqui estão apenas alguns exemplos de como o COVID-19 demonstrou a importância de um foco ESG e como isso poderia levar adiante para o futuro:

Ambiental: Você pode ter pensado que o “E” no ESG realmente não afetou o seu negócio.

Mas considere como os riscos ambientais podem ter um impacto material na cadeia de suprimentos de uma organização.

Empresas com cadeias de suprimentos em países que foram duramente atingidas pelo COVID-19, como China e Itália, sofreram interrupções significativas, e seus negócios foram impactados.

 Fabricantes de medicamentos genéricos ou organizações de tecnologia, por exemplo, que tiveram que parar temporariamente parte ou toda a produção nos países afetados durante a pandemia.

Desta vez foi o COVID-19, mas da próxima vez, pode ser um evento climático:

Sua cadeia de suprimentos está limitada a uma região ou país suscetível a furacões e secas, por exemplo?

Suas operações são altamente dependentes de fontes de água seguras?

 O COVID-19 demonstrou a importância de ter uma cadeia de suprimentos resiliente que possa suportar interrupções.

Social: Os riscos sociais abrangem uma variedade de tópicos, mas os colaboradores a segurança cibernética são dois bons exemplos para mostrar.

A maioria das organizações tem tido segurança e bem-estar dos colaboradores no topo de suas listas prioritárias desde o início da pandemia.

As organizações que continuam fazendo o seu melhor para seus colaboradores enfatizando o bem-estar, a flexibilidade e a saúde mental, por exemplo sairão no topo do ponto de vista de talento e reputação.

Aqueles que não fazem de seus colaboradores uma prioridade corre o risco de perder alguns ou não poderem atrair trabalhadores no futuro.

À medida que as organizações se deslocam para um trabalho mais virtual, aquelas que já estavam configurando equipamentos relevantes e tinham boas práticas de segurança cibernética e privacidade de dados e treinamento de colaboradores no local estavam bem preparadas.

 O COVID-19 destacou a importância de colocar a saúde e a segurança dos colaboradores em primeiro lugar, bem como garantir que a segurança cibernética e a privacidade dos dados sejam áreas de foco contínuas.

 Concentrar-se nesses tipos de mudanças agora pode ajudar a beneficiar as organizações em um futuro onde o teletrabalho e a digitalização serão ainda mais prevalentes.

Governança: Embora muitas organizações já tenham abordado a diversidade do conselho, o componente de governança também inclui elementos de conformidade regulatória, gerenciamento de riscos e comportamentos éticos e de conformidade.

Por exemplo, apesar de atender aos requisitos de elegibilidade, algumas organizações de capital aberto com melhor acesso ao mercado de capitais enfrentaram críticas depois de receber fundos de instituições governamentais.

Os fundos foram destinados a ajudar a manter as organizações menores à tona, mas muitos não foram capazes de obter empréstimos antes que o fundo secasse.

O COVID-19 mostrou a importância de ter fortes práticas e procedimentos de governança em vigor e como eles podem ajudar a proteger contra riscos ou problemas de reputação.

Lidar com as preocupações do ESG dos investidores pode não estar no topo da sua agenda agora.

 E com razão muitas organizações precisam se concentrar na resiliência financeira de curto prazo.

Mas o ESG não deve ficar em segundo plano por muito tempo.

 Uma vez que você entenda o que os investidores estão procurando em torno do ESG agora e no futuro, você pode usar sua experiência do COVID-19 para repensar suas mensagens ESG e contar sua história.

 E você pode usar essa mesma experiência para entender melhor como investir em estratégias de ESG hoje vai torná-lo mais resiliente quando a próxima crise ocorrer.

Estamos juntos!

Publicado por Roberto Roche

Roberto Roche ao longo de três décadas consolidou sua experiência exercendo vários cargos de alta direção em QSMS–RS & Sustentabilidade nas áreas de Óleo & Gás, Construção Civil Pesada, Montagem Industrial, Portos e Mineração em mais de 15 países na América Latina, África e Oriente Médio como Mars, Queiroz Galvao Internacional e Odebrecht Internacional e Imerys .

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *