Gestão em QSMS-RS e Sustentabilidade

O “Cisne Negro” tornou-se um clichê para qualquer coisa ruim que nos surpreenda. 

Mas o início do COVID-19 não foi um Cisne Negro de acordo com o acadêmico que inventou o termo e lamenta seu uso indevido, NASSIM TALEB, e eu concordo 100%

Então, se a indústria de investimentos pensou que COVID-19 era um Cisne Negro o que está faltando?

 Uma coisa parece certa, se o mercado pensou que o COVDI-19 era um Cisne Negro, então talvez as finanças precisem evoluir sua modelagem de risco socioambientais para estar mais avançada olhando em consonância com o pensamento complexo de sistemas adaptativos.

Os mercados são adaptativos e mudam ao longo do tempo, usar modelos da física não funcionam, em vez de modelos da biologia que olham para sistemas adaptativos complexos são mais apropriados.

“Precisamos sair dos velhos paradigmas”

Alguns no setor financeiro começaram a olhar para novos sistemas de risco quanto aos impactos socioambientais

É visível a preocupação em aumenta o foco para melhorar a gestão de riscos para os proprietários de ativos.

 Uma crise não é estática, mas decorre de uma série de eventos com muitos agentes mudando o ambiente, muitas vezes simultaneamente.

A contínua ignorância e incapacidade da indústria financeira de olhar além dos modelos tradicionais na avaliação dos riscos é algo que preocupa principalmente os investidores de projetos de infraestrutura

As redes globais de saúde enfrentaram pandemias e pandemias potenciais no passado com doença legionária, AIDS, gripe aviária, SARS e MERS.

Mas indo para 2020, o mercado, a imprensa e outros agiram como ninguém antecipou um evento do tipo COVID. 

O que mais me incomoda é o que outros riscos podem existir à vista de que o mercado subestima.

A mudança climática e a acidificação dos oceanos são desconsideradas, por exemplo, e quem trabalho com meio ambiente “hands on” nas organizações, sabe que esse fato é muito complexo.

A fala bonita pelos jornalistas e até a turma que está louca para captar investidores para sua gestão de fundos ESG é intensa, mas sem fundo nenhum de conhecimento e das reais consequências desses impactos.

As consequências dessa miopia não serão sentidas no próximo trimestre ou mesmo no próximo ano, mas podem facilmente se tornar uma crise nas próximas décadas

Na gestão de carteiras, os investidores estão gerenciando o futuro e não o passado, então usar dados históricos para criar uma distribuição de resultados potenciais no futuro é limitado.

Usar o termo incerteza para fazer a distinção de que o futuro não é algo que sai de um modelo, é muito mais complicado.

Algumas dessas coisas são conhecidas, como as mudanças climáticas, simplesmente não sabemos todas as dimensões do que implicará.

A interrupção da economia global devido à pandemia COVID-19 é um exemplo do impacto potencialmente circular se a incerteza não for considerada e gerenciada.

Em janeiro, Taleb disse:

 “Custará muito para reduzir a mobilidade no curto prazo, mas deixar de fazê-lo acabará custando tudo se não desse evento, então um no futuro…. políticos e tomadores de decisão devem agir rapidamente para evitar a falácia de que ter um respeito adequado pela incerteza diante de possíveis catástrofes irreversíveis equivale a “paranoia”, ou a crença de que nada pode ser feito.”

Portanto, embora não se saiba qual será o próximo grande disruptor para os mercados, está acordado que haverá interrupção am algum momento de NOVO!

Os investidores precisam trabalhar mais para abrir suas mentes, quanto uma gestão de altos riscos de impactos socioambientais, suas perspetivas e seus processos para permitir que a avaliação prospetiva da incerteza seja uma parte normal de sua modelagem de alocação de ativos.

Gestão de riscos socioambientais, já!

Estamos juntos

Publicado por Roberto Roche

Roberto Roche ao longo de três décadas consolidou sua experiência exercendo vários cargos de alta direção em QSMS–RS & Sustentabilidade nas áreas de Óleo & Gás, Construção Civil Pesada, Montagem Industrial, Portos e Mineração em mais de 15 países na América Latina, África e Oriente Médio como Mars, Queiroz Galvao Internacional e Odebrecht Internacional e Imerys .

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *