Gestão em QSMS-RS e Sustentabilidade

Recém tínhamos assumido algumas organizações, nada de novo em processo comum de M&A, já tínhamos realizados as due diligence, sabíamos do que íamos encontrar, mas tínhamos que lidar com colaboradores de diferentes culturas da sua, tambem nada de novo!

Já rodado na área, reunião terminando e pergunto!

Onde está o relatório dos Kpis e riscos sobre segurança do trabalho e meio ambiente?

Sem querer, acho que causei um mal-estar, mas também foi meu cartão de visitas aos meus colegas de área que não me conheciam e tão pouco a cultura da organização que agora comandava.

Certas perguntas são impactantes, e demonstram o quanto você valoriza a importância da gestão.

Quem me conhece, sabe que sempre sou provocador em minhas perguntas.

Utilizo algumas dessas perguntas em minhas visitas até hoje como consultor, e vamos lá!

Segue algumas que realizo em nossas consultorias de gestão em QSMS-RS & Sustentabiliade

  • Como sabemos que estamos progredindo em prevenção a acidentes socioambientais e de trabalho?
  • Se estamos melhorando, o que estamos fazendo que causa a melhoria?
  • Se não estamos melhorando, como estamos nos aproximando do desafio?
  • Como sabemos se a alta direção é séria sobre a gestão de riscos?

Bem, essas são algumas das perguntas que costumo fazer, incomodam?

É impressionante como estas perguntas causam desconforto tanto aos meus colegas como aos entrevistados da alta direção

Alguns gestores não acredito que sejam são arrogantes, mas sofrem com uma confiança excessiva, dos Kpis que transmitem na organização, pode ser um resultado natural de um sucesso percebido, talvez!

Vejamos esses cases que sempre me refiro seja em treinamentos ou palestras

 Os líderes da BP ficaram surpresos depois da Deepwater Horizon, assim como os líderes da NASA depois da Columbia, e da Boeing após o fiasco do 737 MAX.

 Eles achavam que eram melhores em gerenciar riscos catastróficos do que realmente eram baseados em seus Kpis

Espere que sua equipe de gerenciamento esteja usando análises estatísticas de tendências e correlações para dizer se a estratégia de melhoria está funcionando ou não.

 Suas métricas devem ser indicadores principais e já registrados ​​válidos de lesões graves e melhoria da fatalidade.

Suas métricas devem basear-se em bancos de dados de segurança, dados de colaboradores como rotatividade e absenteísmo e dados operacionais como produtividade e qualidade.

Conhecimento de mecanismos baseados em evidências que impulsionam a melhoria.

Ouça os mecanismos que envolvem os colaboradores na identificação de riscos e na solução de problemas.

Ouça o uso eficaz dos dados para priorizar os esforços de melhoria.

Ouça a utilização de especialistas no assunto.

Você reconhecerá a liderança em segurança no conteúdo e no estilo das comunicações dos líderes seniores.

Ouça um conhecimento prático de segurança e uma ‘visão de sistemas’ de causação de lesões.

Procure interações respeitosas, especialmente quando desafiador ou quando alguém está ferido.

 Ouça uma visão convincente com um papel ativo em iniciativas estratégicas de melhoria da segurança.

Procure liderança de segurança para desempenhar um papel de destaque nas decisões de seleção de pessoas.

O enorme efeito de uma pergunta simples “Onde está o relatório de segurança?”, sugere que a pergunta que você faz pode ser menos importante do que o sinal que você envia.

E você meu colega, qual sinal você vai enviar sobre lesões graves e prevenção de fatalidades?

Estamos juntos!

Publicado por Roberto Roche

Roberto Roche ao longo de três décadas consolidou sua experiência exercendo vários cargos de alta direção em QSMS–RS & Sustentabilidade nas áreas de Óleo & Gás, Construção Civil Pesada, Montagem Industrial, Portos e Mineração em mais de 15 países na América Latina, África e Oriente Médio como Mars, Queiroz Galvao Internacional e Odebrecht Internacional e Imerys .

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *