SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA (QSMS-RS)


Independente da atividade econômica ou do tamanho do seu negócio.

Empresas vêm adotando diversas ferramentas de qualidade, como 5S, qualidade total, ISO 9000 e etc. para gerenciar seus negócios e adquirirem melhoria de desempenho dentro do mercado que atuam.

Entretanto as exigências dos clientes atuais não se restringem apenas à questão relacionadas com o produto final, mas também com o processo de produção e as consequências dele para a sociedade.

Desta forma as corporações viram a necessidade de gerenciar outros fatores como: questões ambientais, questões de prevenção a acidentes ambientais/relacionamento com as comunidades e questões relacionadas com a qualidade de vida e saúde dos trabalhadores e profissionais envolvidos.

Da mesma forma que a gestão pela qualidade, esses fatores também têm que atender padrões já estabelecidos como normas ISO, e outras normas que sugiram dentro dos países de forma geral, com o objetivo de garantir que as normas ambientais e de respeito à saúde e segurança dos trabalhadores sejam respeitadas.

Atualmente muitas não estão utilizando somente o gerenciamento pela qualidade baseado nas normas ISO 9000.

Baseiam-se também, no gerenciamento ambiental baseado na norma ISO 14001, gerenciamento da saúde ocupacional e segurança no trabalho baseado na especificação OHSAS 18001 e responsabilidade social baseada na ISO 26000, todas de forma integrada.

É assim que surge o SGI, Sistema de Gestão integrada.

O SGI visa unir o atendimento às normas de forma simultânea para os pontos comuns, como, por exemplo, no processo de aquisição deve ser verificado tanto as especificações técnicas, como as especificações ambientais e de saúde e segurança no trabalho.

E incluir os valores não contemplados em alguma norma de forma que sejam vistos como um só processo de garantia de qualidade.

Ressalto que o conceito de qualidade desta forma se amplia, pois, o cliente não leva somente em conta as características do produto ou serviço, mesmo que esse já contemple um valor agregado.

Ele também busca uma maior coerência ambiental e uma garantia que não está comprado de empresas que não respeitam os seus funcionários e o meio ambiente.

Embora pareça utopia, ou até demagogia, pois algumas empresas utilizam essas ferramentas apenas para se destacarem no mercado (green washing), sem a real conscientização do assunto, é notório de que é uma realidade que está se tornando cada vez mais presente na nossa sociedade.

E mesmo não conseguindo fazer que o atendimento a esses requisitos seja algo decorrente de uma conscientização real dos nossos gerentes, só atendimento aos requisitos legais já é um grande passo, principalmente para o Brasil.

Estamos juntos!

 

Publicado em 11 de setembro de 2015

Os Mais Vistos
NÃO BASTA SER GESTOR DE SUSTENTABILIDADE E QSMS-RS... Venho atuando há anos em empresas brasileiras e multinacionais em diversos segmentos, ajudando essas corporações a aperfeiçoar o desempenho dos ne...
A importância de gerenciar “Custos ambientai... Sua empresa ou seu negócio sabem quanto estão pagando, e se pagando corretamente para estarem blindados contra multas ambientais e consequentemente ...
Passivo Ambiental e remediação de áreas impactadas... Esta manhã, atendo uma ligação de uma empresária que tinha assistido duas matérias, sendo uma sobre os valores pedidos pelo MPF ao responsável e aos...
MARKETING, SUSTENTABILIDADE E PREVENCÃO AMBIENTAL   Sustentabilidade e desenvolvimento econômico não são mais ideais incompatíveis, e hoje caminham lado a lado. O desenvolvimento sustentável, no...

Sobre Roberto Roche

Roberto Roche ao longo de três décadas consolidou sua experiência exercendo vários cargos de alta direção em QSMS–RS & Sustentabilidade nas áreas de Óleo & Gás, Construção Civil Pesada, Montagem Industrial, Portos e Mineração em mais de 15 países na América Latina, África e Oriente Médio como Mars, Queiroz Galvao Internacional e Odebrecht Internacional e Imerys .

Deixe uma resposta