PLANO DE ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA, VOCÊ JÁ LEU? 1 Comentário


PLANO DE ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA, VOCÊ JÁ LEU?

Não sei se é por causa de ter começado minha carreira profissional em área de alto risco, ter tido uma formação militar, ser filho de submarinista ou neto de aviador naval.

Mas, plano de emergência, check-list, plano B e outros termos sempre tiveram presentes no meu dia a dia e peguei um apreço pela matéria.

E passei a estudar com muito gosto e sempre procurando aprender, tomando como lições aprendidas no decorrer de minha carreira, participando de simulados para verificação da praticidade ou não de um bom plano de emergência.

Tinha acabado de assumir uma posição de gestão de QSMS-RS e Sustentabilidade na Ásia em uma base de apoio offshore, e ao mesmo tempo uma construção de um terminal petroquímico, cerca de 4000 colaboradores de diferentes nacionalidades e culturas bem distintas.

O lugar não era diferente de outras áreas remotas onde já tivesse trabalhado.

Nos meus primeiros dias como sempre faço e fã de planos de emergência, pedi para verificar o plano de emergência a acidentes, de evacuação médica e segurança patrimonial do local, pois era uma área conhecida pela guerrilha também.

A resposta foi evasiva, não encontraram os planos e depois de alguns dias pediram ao corporativo e chegou um plano bem bonitinho para a certificadora ver.

Quando disse que pretendia revisar os planos e laborar outros, adaptando ao local e em seguida começaria a realização de simulados sem aviso prévio.

Fui informado que a direção não achava necessária, pois nunca tinham passado por nada e precisavam de uma autorização do corporativo e etc., que eu esquecesse.

E que eu estava sendo dramático!!

Uma semana após a reunião com a direção, um dos colaboradores foi mordido por uma serpente venenosa, na mesma noite em uma troca de tiros com a guerrilha, um dos tanques de combustível explodiu.

No corre  e corre, dois carros se chocaram com acidentes graves, tivemos três atropelamentos sérios quanto ao manuseio do caminhão de incêndio e este também, por sinal estava se água.

A direção na hora, como sempre, procura o gestor de QSM-RS e Sustentabilidade do local e pergunta e agora, o que diz o plano de emergência?

Como? O que diz o plano de emergência ou o de evacuação médica? Se este aqui que temos não diz nada, pois foi feito para outro tipo de situação e local!

E tivemos uns dias de terror .

É preciso deixar bem claro que é responsabilidade de todos da organização, saber da existência de um plano de emergência, contribuir na elaboração, discutir e participar dos simulados.

Comecem a perguntar a sua volta se os colaboradores conhecem o plano de emergência da empresa para acidentes do trabalho, acidentes ambientais, incêndio e outros casos.

Se eles sabem onde buscar quando algo acontecer, e em quanto simulados já participou, nem que seja de simulado de incêndio.

Talvez, não seja boa a constatação.

Mas o que é? Por que devo ter e qual o objetivo do PAE (Plano de Atendimento Emergencial)?

A melhor definição talvez, seria a de um documento onde o objetivo é fornecer um conjunto de diretrizes e informações para a adoção de procedimentos estruturados, de modo a proporcionar uma resposta rápida e eficiente em situações de emergência.

A importância do PAE está no fato de que o andamento das ações é proporcional à planificação, ou seja, o mesmo pode evitar que um acidente pequeno se transforme em um evento trágico.

O mais crítico e importante para a elaboração de um PAE é necessário conhecimento dos problemas que poderão existir, através de uma análise de risco, bem detalhada.

O risco não pode ser eliminado (risco zero não existe). O risco pode ser identificado, analisado e controlado.

Nós vivemos em mundo de risco.

A análise de risco bem elaborada é o ponto de partida.

Especificamente no caso dos envolvidos com produtos perigosos por exemplo, a análise de risco deve identificar e avaliar parâmetros de segurança e possíveis danos ao meio ambiente e a terceiros.

Os estudos de análise de riscos podem ser utilizados como uma das possíveis ferramentas para avaliação de aspectos ambientais.

A elaboração de estudos de análise de riscos possibilita a definição dos riscos potenciais, decorrentes das atividades da organização, que serão envolvidos pelo plano de atendimento emergencial.

O PAE não deve ser apenas um plano de emergência burocrático e bem organizado de maneira escrita, mas também a conscientização geral da empresa informando todos os seus riscos potenciais, este, deve restringir ao máximo os impactos em uma região, evitando que estes impactos passem dos limites de segurança.

Situações externas ao evento que possam agravar o acidente também devem estar previstas nas tomadas de decisões do plano.

O PAE deve ser um instrumento prático, no qual estão descritas as atribuições e responsabilidades de cada um na hora de uma fatalidade acontecer, deve ser apresentado e organizado de modo a facilitar consultas, pois a tomada de decisões na hora tem que ser rápida e bem concisa.

É um documento que deve ser tornado público na empresa e divulgado em todos os níveis funcionais.

Sua função primordial é que contenha os procedimentos para atender a acidentes e situações de emergências com acidentes dos colaboradores, bem como, em casos de acidentes ambientais, prevenir ou mitigar os impactos socioambientais que possam vir a causar.

Um bom plano também deve conter as práticas adotadas para análise e revisões dos procedimentos, durante situações de emergência ou após uma ocorrência de acidente, cronogramas de treinamentos e simulados para todos os envolvidos no momento emergencial.

Sem os simulados, treinamentos e conscientização geral da empresa quanto ao PAE, à tendência quando ocorrer o acidente é de uma situação de caos, fato muito normal quando acontece.

Sempre bom lembrar e ter em mente:

Uma atitude proveniente de uma tomada de decisão equivocada pode ser responsável por perdas de vidas, encerrar as atividades de uma empresa por ações judiciais tanto do ministério do trabalho como dos órgãos ambientais, e ainda por cima os proprietários e gerentes responderem por ações civis e criminais.

Plano de Atendimento a Emergência, você conhece? Você já leu?

Estamos Juntos !

Publicado em 29 de junho de 2016

Os Mais Vistos
TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS, IMPACTO AMBIENTA... Nestas últimas semanas devido a minha participação em palestras e eventos, viajei muitos por nossas estradas, tanto as do Sul como Nordeste. E ...
03-APRENDA COM MEUS ERROS,COMPLACÊNCIA MATA ! Acreditar que o QSMS-RS e ações de Sustentabilidade só geram custo , é por que ainda não realizou as consequências da falta ou má gestão destes . O...
02 – APRENDA COM MEUS ERROS, GESTÃO DE RISCO... 02 - APRENDA COM MEUS ERROS, GESTÃO DE RISCOS EM QSMS-RS Quais são os cenários de risco em QSMS-RS da sua empresa? Como podem ser identificados? Como...
Você já leu o manual de segurança? Você já leu o manual de segurança? Experimente perguntar; Você conhece ou já leu o manual/procedimento de segurança da sua empresa/unidade? Per...

Sobre Roberto Roche

Roberto Roche ao longo de três décadas consolidou sua experiência exercendo vários cargos de alta direção em QSMS–RS & Sustentabilidade nas áreas de Óleo & Gás, Construção Civil Pesada, Montagem Industrial, Portos e Mineração em mais de 15 países na América Latina, África e Oriente Médio como Mars, Queiroz Galvao Internacional e Odebrecht Internacional e Imerys .


Deixe uma resposta

Um pensamento em “PLANO DE ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA, VOCÊ JÁ LEU?

  • Marcelo Castro Magalhães

    Pois é tive a oportunidade de auditar vários planos de emergência e sempre vi documentos estruturados em analise de risco empíricas e de interpretação pessoal do elaborador, sem metodologia nenhuma. Por outro lado os simulados eram feitos apenas para situação pequenas e nunca para os grandes problemas identificados, a desculpa era os custos altos e a dificuldade de simular grandes problemas, Dai quando acontece ficam dando outras desculpas, é o caso de Mariana. As empresas são o reflexo disto e as acreditadoras tem sua parcela de culpa, já que certificam empresas com PAE fictício que nunca foi testado efetivamente.