PASSIVO AMBIENTAL, QUEM PAGA A CONTA? 3 Comentários


PASSIVO AMBIENTAL, QUEM PAGA A CONTA?

O tempo passa, evoluímos tecnologicamente, continuamos tendo reuniões debates sobre as questões ambientais, premiamos os melhores em Sustentabilidade e por aí vamos para mais um ano.

Mas ……….

Acidentes continuam e continuam acontecendo !!

Rompimento de barragens de rejeitos, vazamentos em plantas industriais, acidentes com produtos perigosos em portos e nas estradas quase que diariamente.

E com isso assistimos comunidades sendo afetadas e perdas de vida em alguns casos.

Depois de toda comoção na mídia após o acidente, pasmem!!!

Sim, existe um passivo ambiental.

Que fica e se não for tratado devidamente, vai afetando aos mais próximos e as consequências podem não ser nadas boas.

Basta lembrar de Minamata (Japão-56) e muitos outros casos infelizmente.

E o passivo ambiental, que fica após ao acidente, quem paga a conta da remediação?

Aí vocês me perguntam e a justiça, e o Ministério Público?

Bem, boa pergunta e cá entre nós, não é novidade para ninguém as consequências de uma área com passivo ambiental.

Vamos entender um pouco, e bem resumidamente como funciona esta questão quando se adquire uma área com passivo ambiental e suas responsabilidades.

A remedição de um passivo ambiental corresponde ao investimento que uma empresa deve fazer para que possa corrigir os impactos ambientais adversos gerados em decorrência de suas atividades e que não tenham sido controlados ao longo dos anos de suas operações ou por um acidente ambiental.

No caso de uma indústria em processo de venda, o comprador certamente levará em conta o valor desse passivo, descontando-o no preço final de venda da indústria.

São inúmeros os possíveis tipos de passivos ambientais e eles podem estar presentes em quaisquer segmentos comerciais e industriais, bem como em ferrovias, aeroportos, rodovias, etc.

O exemplo mais comum de passivo ambiental é a contaminação de solos.

Um caso recente de contaminação de solos e cursos d’água, no norte do Brasil, provocou danos a uma comunidade inteira, além de criar um passivo ambiental.

Todos ainda aguardam um parecer final das autoridades indicando de quem é a responsabilidade final neste caso e as consequências para quem impactou!

Outro exemplo entre milhares é o caso de Mariana (MG) ou até mesmo o de alguns anos como o de Cataguases (RJ), onde milhares de pessoas foram, e continuam sendo, prejudicadas em virtude do impacto ambiental do local.

Passivos ambientais em indústrias podem ser, por exemplo, a contaminação do solo devido a vazamento de solventes, agrotóxicos e produtos tóxicos ou ainda, pilhas, baterias e produtos radioativos enterrados.

Lagos contaminados por efluentes industriais também são considerados passivos ambientais.

Já no caso de rodovias e ferrovias, o passivo ambiental corresponde a erosões, danos permanentes em pontes e viadutos, etc.

Em aeroportos, corresponde a solos contaminados por gasolina de avião e outros combustíveis.

E de quem é a responsabilidade?

Segundo a Lei nº 6.938/81 – Política Nacional do Meio Ambiente – Artigo 14 – Parágrafo Primeiro -, o poluidor é obrigado, independentemente de existência de culpa, a indenizar ou reparar os danos causados ao meio ambiente e a terceiros afetados por sua atividade.

Esta é a famosa regra da Responsabilidade Objetiva.

O causador do dano é responsável independentemente de culpa. Basta existir uma relação entre causa e efeito para que seja possível responsabilizar o autor do dano.

Ou seja, todos aqueles que tenham sido prejudicados pelos acontecimentos acima exemplificados podem vir a ser ressarcidos pelos prejuízos sofridos e/ou danos causados à saúde.

Além disso, o local danificado deve ser recuperado.

Outra Lei de extrema importância e que deve merecer atenção por parte das empresas é a de nº 9605/98 – Lei de Crimes Ambientais.

O texto dessa Lei diz respeito à Responsabilidade Penal da Pessoa Jurídica e em seu artigo terceiro indica que:

“ As pessoas jurídicas serão responsabilizadas administrativa, civil e penalmente, além de responsabilizar pessoas físicas, co-autoras do fato, tais como diretores e outras pessoas com poder de decisão dentro dessas empresas”.

As leis brasileiras relativas ao meio ambiente estão entre as melhores do mundo e devem ser respeitadas.

Esses acontecimentos e muitos outros mostram a importância de uma empresa estabelecer medidas de prevenção à poluição, investindo para evitar passivos ambientais, multas, processos, danos a imagem e perda de mercado.

Estamos caminhando para uma época onde, as empresas que saírem na frente em relação às variáveis ambientais, ganharão competitividade, mercados e lucro.

Ou seja, uma gestão de QSMS-RS e Sustentabilidade séria e efetiva!

Por mais que insistam em dizer que estão preocupadas com a Sustentabilidade, as organizações somente serão reconhecidas e aceitas em suas ações perante a sociedade se estas forem concretas e honestas.

Não existe mais bobo nesta história!

Estamos juntos!

 

Os Mais Vistos
ACIDENTES AMBIENTAIS, ESTAMOS PRONTOS? Assistindo os noticiários nas últimas semanas sobre alguns grandes acidentes ambientais, sendo um nos Estados unidos e outro na China, não posso d...
AQUISIÇÕES , FUSÕES E IPOs . O PASSIVO AMBIENTAL... A presença do termo passivo ambiental no noticiário se tornou corriqueiro após os acontecimentos em Barcarena (PA) e em Mariana (MG). Também ti...
TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS, IMPACTO AMBIENTA... Nestas últimas semanas devido a minha participação em palestras e eventos, viajei muitos por nossas estradas, tanto as do Sul como Nordeste. E ...
GESTÃO DE FROTAS E SUA RESPONSABILIDADE CÍVIL E C... Após escrever artigo sobre a importância da auditoria SASSMAQ para as empresas de transporte. Tenho recebido muitas consultas para palestras e qu...

Sobre Roberto Roche

Roberto Roche ao longo de três décadas consolidou sua experiência exercendo vários cargos de alta direção em QSMS–RS & Sustentabilidade nas áreas de Óleo & Gás, Construção Civil Pesada, Montagem Industrial, Portos e Mineração em mais de 15 países na América Latina, África e Oriente Médio como Mars, Queiroz Galvao Internacional e Odebrecht Internacional e Imerys .


Deixe uma resposta

3 pensamentos em “PASSIVO AMBIENTAL, QUEM PAGA A CONTA?