A importância da Segurança dos colaboradores como um ” Valor ” incorporado em uma gestão verdadeira de Sustentabilidade


Normalmente se associa a uma gestão de sustentabilidade ações para reduzir a pegada de carbono, utilizar os recursos de forma mais eficiente, integração com as comunidades, utilizar menos recursos e etc.

Mas pouco se fala inserido neste tema sobre a importância do risco de uma má reputação, com acidentes ambientais e acidentes de trabalho.

Exemplos não faltam nos dias de hoje, empresas que sempre foram consideradas exemplos em segurança e preocupação com o meio ambiente se veem diante de suas ações derreterem em valor de mercado e serem excluídas do índice de sustentabilidade na bolsa de valores.

Já vimos nestes últimos meses grandes marcas sendo acusadas de trabalho escravo com consequências desastrosas para imagem e agora uma montadora ser acusada de crime ambiental onde o estrago não só financeiro como a imagem arranhada perante a sociedade não se tem ideia do alcance que vai dar.

Se a segurança do trabalho é tão importante, é responsabilidade de todos e várias outras frases já conhecidas por todos m programas de conscientização, pergunto: Quantas vidas ainda serão ceifadas até que seja considerado um “VALOR” a ser incorporado na organização para que realmente passe a uma gestão voltada para a sustentabilidade?

Qualquer empresa com uma reputação de ser insegura para trabalhar pode ter dificuldades em encontrar mão de obra local e ser forçada a se contentar com os candidatos menos qualificados que resultam em mais chances de acidentes.

Com os negócios atualmente crescendo em um mercado altamente competitivo, os gestores começaram a examinar cuidadosamente o que seus parceiros estão fazendo para garantir que suas operações sejam sustentáveis e ter um bom retorno quanta à imagem do seu produto.

Hoje a sustentabilidade é vista através de uma lente muito mais ampla que analisa não somente a pegada de carbono de negócio que está sendo deixada no meio ambiente ou a política global.

Mas sim em pontos que antes não eram contabilizados até começarem a ocorrer incidentes em que afetavam sua imagem.

O que essa visão mais ampla de sustentabilidade tem a ver com a segurança do trabalhador? Mais precisamente, na falta de segurança coletiva que pode desempenhar um papel profundo para o qual uma empresa é considerada sustentável.

O primeiro, e talvez o mais óbvio, é o papel que desempenha a segurança do trabalho na sustentabilidade e o seu impacto entre seus colaboradores e na comunidade a sua volta.

A fatalidade ou ferimentos graves em uma indústria causam uma grande comoção para aqueles que vivem e trabalham nas proximidades. O incidente tem um grande impacto sobre a reputação do negócio.

À primeira vista, isso pode não parecer grande coisa. Mas uma organização, com atividade de alto risco como, por exemplo, a indústria do petróleo ou da mineração podem ter dificuldades em encontrar mão de obra e ser forçada a se contentar com os candidatos ao emprego menos qualificados.

E sustentabilidade também é reter talentos, manter os colaboradores motivados, treinados e em um ambiente seguro.

Uma empresa a com alta rotatividade de seus colaboradores não é uma empresa que pensa em sustentabilidade.

Quando as pessoas descobrem que eu sou gestor da área de Sustentabilidade e QSMS-RS em uma conversa informal e o assunto são sobre acidentes, uma das primeiras coisas que eu geralmente ouço é: “nossa empresa ou meu patrão precisa de uma palestra e consultoria sua.”.

Penso comigo! Qual o desejo que essas pessoas estão transmitindo com esses pensamentos? Será que estão mais propensos a procurar trabalhar em outro lugar?

O mercado é implacável e muitos clientes podem questionar a capacidade do processo de uma indústria que não respeita a integridade de seus trabalhadores, e decidir que fazer negócios com eles pode atrair muita atenção negativa indesejada a sua marca.

Estão prevendo uma “tempestade perfeita” de escassez de recursos globais, em 2030, quando a população mundial deverá ultrapassar de oito bilhões.

Empresas que não planejam para a escassez de recursos essenciais e aí incluímos o capital humano podem encontrar-se fora do negócio, atropelada e substituída por aqueles que fazem um esforço conjunto para garantir a sua sustentabilidade.

Quando um recurso se torna escasso o preço dele sobe. E inovação, recursos alternativos e mão de obra qualificada bem treinada se tornam mais rentável e viável.

Da mesma forma, a cadeia produtiva vai continuar a crescer com a concorrência global, que estreita as margens mais e mais, mas as empresas que investem em ações de sustentabilidade acima de tudo, treinamento e não a segurança do trabalhador e seus processos terão mais caixa e operarão com mais eficiência e produtividade e sem dúvida estarão mais bem posicionados para sobreviver.

Alguém tem ideia dos custos diretos e indiretos de um acidente de trabalho ou de um acidente ambiental?

Se não!!!! Vejam os valores que estão em jogo sobre os acidentes na qual a mídia vem divulgando nestes últimos meses.

Estamos Juntos!

• Publicado em 8 de outubro de 2015

Os Mais Vistos
Gestão Ambiental e Desenvolvimento Sustentável Durante séculos o meio ambiente foi entendido enquanto apenas natureza, sendo esta, considerada por um grupo, sagrada e intocável. Ao mesmo tempo, ...
EM SUSTENTABILIADE E QSMS-RS, SEM INVESTIMENTO NÃ... Dois grandes empresários, meus amigos, em uma festa ao descobrirem que estava de volta ao Brasil, me pediram auxílio, pois estavam gastando uma fo...
Por que está na hora do conselho e CEOs tomarem um... Por que está na hora do conselho e CEOs tomarem uma posição sobre  Sustentabilidade Empresarial. Nestes últimos meses, comecei a participar em palest...
GESTÃO DE SUSTENTABILIDADE /QSMS-RS COERÊNCIA ENTR... Empresas, pelo menos em seu website, que possuem uma politica de QSMS-RS, certificações e algumas ações sociais já não são mais novidade, mas......

Sobre Roberto Roche

Roberto Roche ao longo de três décadas consolidou sua experiência exercendo vários cargos de alta direção em QSMS–RS & Sustentabilidade nas áreas de Óleo & Gás, Construção Civil Pesada, Montagem Industrial, Portos e Mineração em mais de 15 países na América Latina, África e Oriente Médio como Mars, Queiroz Galvao Internacional e Odebrecht Internacional e Imerys .

Deixe uma resposta