Gestão Ambiental e Desenvolvimento Sustentável



Durante séculos o meio ambiente foi entendido enquanto apenas natureza, sendo esta, considerada por um grupo, sagrada e intocável.

Ao mesmo tempo, por outro grupo como um depósito a seu dispor e, portanto, cabível de exploração até exaurir.

O agravamento dos problemas ambientais e sociais, fruto do paradigma reducionista, da percepção ambiental inadequada e do modelo de desenvolvimento econômico desencadeou debates internacionais e nacionais impulsionando novos debates e medidas.

O que motivou um processo de qualificação profissional (QSMS-RS e Sustentabilidade), visando a elaboração de instrumentos de intervenção, e conhecimentos importantes quando da tomada de decisão pelas organizações empresariais.

Os recursos ambientais são dinâmicos, expandem-se e contraem-se em resposta aos desejos e ações do ser humano, as condições tecnológicas, econômicas e políticas, o que não significa que estes sejam inesgotáveis, até mesmo porque a intensidade e a velocidade da pressão socioeconômica, limita este dinamismo.

A gestão ambiental centra-se principalmente, nos recursos e pressupõe escolher entre alternativas, que não seja somente tecnológicas e criar as condições para que aconteça o que se pretende que aconteça, a sustentabilidade ambiental.

Pressupõe conhecimento da realidade, planejamento e aplicação de estratégias, assim como, acompanhamento, no sentido de realizar a avaliação constante e permitir a participação do grupo envolvido.

Mas, afinal se a gestão ambiental tem como um dos princípios o desenvolvimento sustentável, qual o seu significado?

O conceito de desenvolvimento sustentável surgiu na década de 1970, com a denominação de eco desenvolvimento, num contexto de controvérsias sobre as relações entre crescimento econômico e meio ambiente, acentuada devido a publicação do Relatório do Clube de Roma, o qual pregava o crescimento como forma de evitar a catástrofe ambiental.

A ideia do desenvolvimento sustentável vem sendo utilizada como portadora de um novo projeto para a sociedade, capaz de garantir no presente e no futuro, a sobrevivência dos recursos naturais e dos grupos sociais e tem como base o reconhecimento da inadequação econômica, social e ambiental do padrão de desenvolvimento das sociedades contemporâneas.

Essa noção nasce da compreensão da finitude dos recursos naturais e das injustiças sociais, provocadas pelo modelo de desenvolvimento vigente na maioria dos países.

Adotar o princípio de precaução e a sustentabilidade ambiental significa impulsionar mudanças e adotar atitudes precavidas, sustentáveis.

Todavia, o alcance destes objetivos, só será possível por meio de um processo contínuo e permanente de educação ambiental, uma vez que este constitui um processo educativo que ocorre a partir da realidade ambiental, buscando a construção de conhecimento, compreensão das leis naturais, mudanças de percepção e de valores, soluções e ações sustentáveis.

Infelizmente a gestão ambiental praticada na maioria das organizações, tem mais um caráter curativo e corretivo, em detrimento de ações preventivas, cujos impactos e manifestam em todos os setores e em todas as instâncias de administração e não prioriza a participação dos diversos segmentos sociais.

Ainda não entenderam, ou simplesmente não querem entender que prevenção sai mais barato do que correção.

Ou será que eu, gestor, não sei que é significativamente inferior o custo de ter uma cultura de gestão de riscos ambientais bem implementada, comparado aos custos das multas, advogados, recuperação do dano, imagem arranhada e por aí vamos.

A época de sites bonitos, ostentando certificações, ações sociais esporádicas em comunidades, ganhar prêmios em sustentabilidade para massagear o ego, está acabando.

A sociedade quer sim, uma gestão ambiental séria e cobra ações efetivas sustentáveis.

A conta chega um dia, podemos ter certeza, exemplos temos milhares.

Conceitos relativos à gestão ambiental têm evoluído, à medida que aumenta o conhecimento e a compreensão dos efeitos ao meio ambiente, no entanto, o consenso entre todos centraliza-se na boa administração dos recursos, visando alcançar a sustentabilidade.

A gestão ambiental deve favorecer transformações no cenário mundial, o qual está constituído da falência de vários sistemas, no sentido de proporcionar a sustentabilidade ambiental, a qual requer novos olhares, pensamentos e ações.

Estamos juntos!

5 Dicas para Engajar o Trabalhador em Segurança do Trabalho.

5 Dicas para Engajar o Trabalhador em Segurança do Trabalho.

Os Mais Vistos
MELHORES PRÁTICAS DE GESTÃO E A QUESTÃO AMBIENTAL ... A Importância das melhores práticas de gestão e a questão ambiental O efeito da atividade humanas sobre o meio ambiente aumentou significativa...
EM SUSTENTABILIADE E QSMS-RS, SEM INVESTIMENTO NÃ... Dois grandes empresários, meus amigos, em uma festa ao descobrirem que estava de volta ao Brasil, me pediram auxílio, pois estavam gastando uma fo...
VAMOS SER PRÁTICOS COM AS QUESTÕES AMBIENTAIS  ... Por falta de visão, bom senso e conhecimento técnico . E por um longo período, as questões envolvendo o meio ambiente não mereceram da sociedade e ...
MARKETING, SUSTENTABILIDADE E PREVENCÃO AMBIENTAL   Sustentabilidade e desenvolvimento econômico não são mais ideais incompatíveis, e hoje caminham lado a lado. O desenvolvimento sustentável, no...

Sobre Roberto Roche

Roberto Roche ao longo de três décadas consolidou sua experiência exercendo vários cargos de alta direção em QSMS–RS & Sustentabilidade nas áreas de Óleo & Gás, Construção Civil Pesada, Montagem Industrial, Portos e Mineração em mais de 15 países na América Latina, África e Oriente Médio como Mars, Queiroz Galvao Internacional e Odebrecht Internacional e Imerys .

Deixe uma resposta