EFICIÊNCIA NA GESTÃO DO LICENCIAMENTO AMBIENTAL 2 Comentários


A importância na eficiência de gestão do licenciamento ambiental como um dos pilares da Diretoria de sustentabilidade nos setores de óleo e gás, mineração e construção pesada.

Tive a honra de ser convidado a participar em um debate, onde o tema seria sustentabilidade e impactos socioambientais da indústria.

Falar sobre sustentabilidade não é tarefa fácil mesmo para quem tem paixão e alguma experiência no assunto, pois o questionamento por parte dos participantes é bem comum e forte quanto suas ações se são mesmo sustentáveis ou não, se não é apenas green washing e etc.

E quando se fala sobre o impacto socioambiental que seu empreendimento causa você tem que estar bem muito bem preparado para o debate, pois não existe mais ninguém que não domine e entenda do assunto.

Sou do tempo que sustentabilidade era só referida quando se falava em recursos renováveis.

E quando surgiu o tema nos anos 70, abracei como um eco chato.

Com a evolução do tema foi se tornando mais abrangente, entrou o social e outras perspectivas do que seria ser Sustentável.

Passados os anos, comecei a trabalhar em grandes corporações e claro, se existe o tema Sustentabilidade é por que existe um negócio e o foco é no negócio com resultado e que seja sustentável.

Sem o negócio não estaríamos tocando no tema, fui bem claro no início da minha explanação aos participantes do debate.

É inconcebível falar de qualquer negócio nos dias de hoje independentemente do tamanho que não esteja ligado à sustentabilidade, também fiz questão de ressaltar.

Dito isso, me preparei para a explanação e o debate que viria a seguir, pois uma plateia cheia de estudantes, sem dúvida perguntas viria com emoção sobre a proteção ao meio ambiente e ser ou não ser sustentável verdadeiramente.

Quando você trabalha muitos anos na indústria do óleo e gás, mineração e construção pesada, e é responsável da gestão de QSMS-RS e Sustentabilidade, não é uma função das mais fáceis a se exercer.

São atividades que causam grande impacto sócio ambiental e são ações muito visadas pela sociedade sem contar com a grande quantidade de leis, normas e resoluções na área do trabalho e meio ambiente que devem ser muito bem gerenciadas.

Mas a verdadeira experiência adquirida nestes anos lhe fornece a tranquilidade necessária para poder responder a todas as dúvidas que se possam surgir durante o tema.

Ainda mais no Brasil e na região amazônica onde nossa legislação é bem draconiana.

Já participei em licenciamento de vários tipos de projetos que vão de perfuração a abertura de minas e hidroelétricas nas selvas Africanas e do Oriente, mas nada se compara na região amazônica quanto à questão de condicionantes e sua gestão pós-licenças obtidas.

E no calor das discussões, sempre é bom lembrar, e eu o faço sempre!

Que nem sempre se atenta para o fato da existência e o uso de celulares, carros, computadores e etc. se deve os estes setores da economia e ninguém mais imagina como seria a vida sem eles.

“Trabalhar com paixão, dedicação e transparência focando no resultado para ser um negócio sustentável é importante, mas palavras não bastam. É fundamental demonstrar transparência! ”

Após minha apresentação, vieram as perguntas e o debate.

Como todo e bom estudante que nós fomos, perguntas provocativas vieram. As de sempre quanto a impactos ambientais e outras relacionada ao tema. Mas uma chamou mais atenção e é o motivo deste texto.

Foi a quanto conhecimento por parte da plateia e a preocupação com a existência do licenciamento ambiental, se era válido?

Se não era uma indústria criada para criar dificuldades e vender facilidade? Se as agencias ambientais faziam o certo e etc. E se depois de licenciado o trabalho terminava por aí?

Pronto, aí estava à diferença entre o mundo do achismo e academicismo do debate para o mundo dos negócios e chance para poder explicar a plateia quão tão difícil e importante é a gestão ambiental em uma indústria.

Na realidade e na prática, é que depois da obtenção da licença, se começa realmente a gestão de sustentabilidade do negócio.

Entre licenças, outorgas e outras tantas autorizações, com estas vem as condicionantes e obrigações legais.

E a sua gestão tem que ser muito eficiente e muito bem conduzida por seus gestores, qualquer deslize inviabiliza o negócio.

Se você gestor não tiver uma equipe muito bem qualificada para acompanhar a entrega dos relatórios, cumprir o prazo. Sua empresa fecha!

Como gestor já tive a experiência de ter em uma só unidade a responsabilidade junto a nossa equipe, a gestão de mais 60 licenças ambientais e 700 condicionantes ao mesmo tempo e gerenciar a entrega aos órgãos competentes a cada três meses, enormes relatórios sócios ambientais com o rigor do compromisso de entregar dentro do prazo e sempre atentos aos custos destas ações.

Uma boa gestão do licenciamento ambiental deve ser considerada fundamental perante a direção, é uma condição essencial e sine qua non para o funcionamento da organização.

A inexistência desta gestão das licenças é uma ameaça constante ao negócio, visto que a pressão pela conformidade sócia ambiental de não só se limita aos órgãos públicos encarregados do controle ambiental.

Nesses novos tempos, a conformidade sócia ambiental das empresas é um tema que extrapola a administração pública do meio ambiente e se alastra nos diversos setores das partes interessadas, que, mediante a constante vigilância das ONGs, exige dos empreendedores uma enorme atenção quanto à gestão ambiental.

Igualmente, o Ministério Público encontra-se atento aos menores deslizes no que se refere à observância das leis ambientais. Os próprios organismos financeiros, cada vez mais, exigem padrões ambientais adequados para a concessão de empréstimos. O licenciamento ambiental e sua gestão, nesse caso, é a exigência mínima que estabelecem como pré-requisito para liberação de empréstimos.

Valorizar a gestão da licença ambiental é extremamente importante para todas as empresas que prezam o seu bom nome e que buscam dar cumprimento às normas legais em suas atividades.

A pressão da sociedade sobre o órgão ambiental tem sido enorme e os custos sócios ambientais só tendem aumentar.

Uma empresa licenciada ambientalmente e com uma excelente gestão desta deve ser considerada como possuidora de um ativo intangível da maior importância, pois tem a garantia de operar sem os sobressaltos normalmente causados pelas questões dos impactos sócio ambientais.

Estamos juntos!

• Publicado em 2 de novembro de 2015

Os Mais Vistos
GESTÃO AMBIENTAL PORTUÁRIA , ÔNUS OU OPORTUNIDADE ...   Não existe duvida que um dos setores que não está estagnado , é a questão dos portos no Brasil , não é a perfeição ,mas muito tem sido investido po...
IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA (QSMS-R... IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA (QSMS-RS) NAS INDÚSTRIAS DE ÓLEO & GÁS E ENERGIA. Já se vai um tempo em que as empresas vêm adotando...
O QUÊ, POR QUE E COMO? GERENCIAMENTO DE RISCOS NA ... O QUÊ, POR QUE E COMO? GERENCIAMENTO DE RISCOS NA ISO 14001:2015 A revisão de 2015 da ISO 14001, que será lançada a qualquer momento, fala com bast...
Gestão de Sustentabilidade nas corporações , um va...   Sustentabilidade no contexto corporativo passou da fase de é " bom ter”, para uma necessidade imprescindível de estar embutida na estratégia das co...

Sobre Roberto Roche

Roberto Roche ao longo de três décadas consolidou sua experiência exercendo vários cargos de alta direção em QSMS–RS & Sustentabilidade nas áreas de Óleo & Gás, Construção Civil Pesada, Montagem Industrial, Portos e Mineração em mais de 15 países na América Latina, África e Oriente Médio como Mars, Queiroz Galvao Internacional e Odebrecht Internacional e Imerys .


Deixe uma resposta

2 pensamentos em “EFICIÊNCIA NA GESTÃO DO LICENCIAMENTO AMBIENTAL

  • MARCIO QUADROS

    Excelente conteúdo Roberto. Você está de parabéns por focar nessa importância da Gestão dos impactos sócio-ambientais principalmente aqui na Região Norte. A diversidade e complexidade que essa região possui exige uma gestão diferenciada e muito dinâmica. A Gestão Ambiental realmente não é nada simples quando você quer efetivamente fazer uso das ferramentas de gestão para garantir uma utilização maximizada e adequada dos recursos/serviços que se está explorando. Márcio A. L. Quadros -Espec. em Gestão de Cidades e Sustentabilidade/UFPA- Assessor na DLA/SEMAS(Diretoria de Licenciamento Ambiental da Secretaria de Estado de Meio Ambiente-PA)