“DUE DILIGENCE” AMBIENTAL NAS OPERAÇÕES DE M&A E IPO 5 Comentários


A necessidade de “Due Diligence” Ambiental nas operações de M&A e IPO

Nestes últimos meses as mídias em geral em seus noticiários e programas especiais abordam a questão ambiental devido aos acontecimentos sobre o desastre ambiental em MG e PA.

Termos como impacto ambiental e passivo ambiental tem sido matéria constante aumentado à preocupação em nossa sociedade.

Mas e o que não é reportado ou divulgado quanto a outros grandes impactos e o passivo ambiental como consequência?

Estamos em época de grandes aquisições no Brasil por parte de grandes grupos e fundos de investimento.

Bombas relógio estão espalhadas por aí inocentemente a espera de uma aquisição.

Quem assumir um passivo ambiental pode vir a pagar uma conta bem alta no qual pode inviabilizar o negócio.

Atualmente, o mercado exige, cada vez mais, transparência e segurança na realização de investimentos e transações empresariais.

Nestes meus anos todos em grandes indústrias apreendi muito em relação à identificação de passivos ambientais, já perdi a conta de quantos start ups em projetos Greenfield ou Brownfield que participei em  empresas que auditava  e sempre me surpreendo com o que se encontra por baixo do tapete.

De alguns anos para cá, questões legislativas e judiciais envolvendo aspectos de responsabilidade sobre resíduos perigosos e passivos ambientais vêm se destacando e ganhando considerável espaço no mundo dos negócios e até mesmo nas manchetes dos principais jornais do país.

É neste contexto que a Due Diligence” ambiental adquire um papel de destaque. Ainda mais quando o assunto é meio ambiente e se tratando de assumir passivos ambientais de outros, não é o desejo de ninguém.

O processo de “due diligence” ambiental não é nada mais nem menos um diagnostico detalhado de informações sobre ativos e passivos ambientais que possa vir a encontrar em uma determinada empresa ou em novos empreendimentos .

A “due diligence” ambiental tem por objetivo apontar os principais pontos críticos e relevantes existentes na estrutura operacional quanto o comprimento de normas e leis ambientais.

Identificar riscos e passivos ambientais, quantificar o valor de tais responsabilidades civis ambientais para a remediação do passivo, identificar providências para a eliminação ou minimização dos riscos ambientais identificados.

E determinar a melhor forma e estratégia de estruturação da transação quanto a responsabilidades ambientais.

O desejo é obter uma “radiografia” da empresa de forma a prepara-la para operações de fusão ou aquisição (“M&A”) , transferência de ativos, reestruturação societária, elaboração de prospecto para oferta pública de ações (“IPO”) entre outras operações empresariais.

Mostrar aos acionistas que é uma empresa preocupada com as questões ambientais hoje é não é só uma questão de responsabilidade sócio ambiental, mas também aparecer para o mercado como exemplo de “benchmarking” ambiental e ganhar com a oportunidade.

Iniciadas as tratativas referentes à operação pretendida pelas partes, estas, geralmente celebram uma carta de intenções com natureza de contrato preliminar.

O escopo deste documento, entre outros, é de manifestar o interesse formal das partes para realização do negócio, sujeito ao resultado obtido com a due diligence” ambiental.

Neste documento, as partes estabelecerão as regras para o desenvolvimento da “due diligence” ( prazos, custos, abrangência, logística), bem como estabelecerão o caráter vinculante ou não da proposta, se haverá exclusividade e confidencialidade das informações e documentos, o cronograma de trabalhos para conclusão da operação com fixação de prazos para apresentação de ofertas vinculantes e confirmações.

Em seguida, é apresentado um check list, que enumera as informações e documentos necessários para realização dos trabalhos.

O check list será ajustado de acordo com a finalidade de cada auditoria e cada tipo de empresa.

Realizada a análise descritiva dos documentos disponibilizados, as equipes avaliarão os dados relatados de forma a identificar os pontos críticos eventualmente existentes em relação à questão ambiental que possam impactar a operação, gerando um relatório conclusivo para apresentação ao cliente.

Este serve, para pautar a elaboração dos instrumentos definitivos para concretização da operação e fixação do preço, sendo fator determinante para a negociação e, consequentemente, para o sucesso da operação.

Estamos Juntos !

INDÚSTRIA

Os Mais Vistos
A IMPORTÂNCIA DA AUDITORIA DE SASSMAQ PARA TRANSPO... O Sassmaq possibilita uma avaliação do desempenho nas áreas de segurança, saúde, meio ambiente e qualidade das empresas transportadoras de produto...
AUDITORIA E AVALIAÇÃO DE RISCO AMBIENTAL EM AQUISI... Assumir débitos fiscais e trabalhistas na aquisição ou fusão de uma empresa é prática bastante comum no mundo dos negócios. Mas a assunção de passi...
A importância de se realizar Auditoria Ambiental Estes últimos meses entre palestras e eventos que participei realizei algumas auditorias em indústrias, supermercados, concessionárias de veículos, ...

Sobre Roberto Roche

Roberto Roche ao longo de três décadas consolidou sua experiência exercendo vários cargos até alcançar a alta direção em QSMS–RS & Sustentabilidade nas áreas de Óleo & Gás, Construção Civil Pesada, Montagem Industrial, Portos e Mineração em mais de 15 países na América Latina, África, Asia e Oriente Médio em empresas como : Mars, Queiroz Galvao Internacional , Odebrecht Internacional e IMERYS . Autor de diverso artigos sobre Sustentabilidade ,QSMS, Gestão de Ambiental, Emergência Ambiental, Comportamento Seguro e Análise de Risco socioambiental.


Deixe uma resposta

5 pensamentos em ““DUE DILIGENCE” AMBIENTAL NAS OPERAÇÕES DE M&A E IPO